Bancários e comunicadores são os mais afetados com problemas psicológicos, diz CUT-PB

Em alusão ao Setembro Amarelo, a CUT-PB destaca suas ações de enfrentamento deste problema e também exalta sua defesa com relação aos trabalhadores paraibanos

No dia 10 de setembro é considerado o “Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio”, por isso o mês é marcado pela campanha de conscientização do “Setembro Amarelo”. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada 40 segundos, uma pessoa morre por suicídio em algum lugar do nosso planeta, resultando em cerca de 800 mil pessoas, por ano, que perdem a vida desta forma.

Por ser um mês de conscientização e de ressaltar a valorização da vida, a Central Única dos Trabalhadores da Paraíba (CUT-PB) destaca suas ações como parte fundamental em defender esse processo de exploração da mão de obra e da pressão psicológica, onde muitos trabalhadores e trabalhadoras vivenciam no seu dia a dia.

“É através desta campanha que podemos denunciar o assédio moral que os trabalhadores e trabalhadoras sofrem em seus ambientes de trabalho”, afirma o presidente da CUT-PB, Tião Santos.

Ainda de acordo com Tião Santos, é através dos sindicatos vinculados que a Central conhece os diversos “adoecimentos psicológicos” adquiridos através do emprego. “Este mês tem grande relevância para nós que defendemos o bem estar social para a classe trabalhadora, provocando uma reflexão conjuntural do que a ganância pelo lucro pode trazer de mal para quem tem sua mão de obra explorada pelo capital financeiro”, afirma.

Relação de trabalho

Segundo dados divulgados em 2016 pela OMS, cerca de 80% dos óbitos registrados são identificados em nações de renda média ou baixa, a maioria dos casos acontecem em zonas rurais e agrícolas.

Para o secretário de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora da CUT-PB, Rômulo Xavier, na Paraíba as categorias de trabalhos e seus setores mais afetados são aqueles e aquelas que trabalham no campo, em empresas de telemarketing, bancários e comerciários, que vivem em uma pressão para conseguir atingir metas.

“Considero que sejam áreas de trabalho que mais existem precariedades, sofrendo uma pressão muito grande que pode contribuir para o desequilíbrio emocional do trabalhador ou trabalhadora e desencadear um processo de sofrimento chegando a tomar uma medida drástica, o suicídio”, afirma.

Ainda para o secretário de Saúde do Trabalhador e Trabalhadora da CUT-PB, a campanha do Setembro Amarelo é importante, porém a Secretaria encara a questão de forma permanente, trazendo sempre discussões e monitoramento da saúde dos membros dos sindicatos vinculados à Central. O objetivo é combater toda e qualquer pressão que a classe trabalhadora venha a sofrer.

Cuidados com os trabalhadores e trabalhadoras

A secretária nacional de saúde do trabalhador da CUT, Madalena Margarida da Silva, destaca que a Central promove ações com o objetivo de sensibilizar e pautar a promoção da saúde mental, além de orientar e incentivar a discussão dos temas nas Estaduais e ramos. Para ela o número de estudos que possam ligar casos de suicídios a ocupações específicas é baixo, insuficiente para determinar medidas de apoio para cada área de trabalho e que, portanto, o tema deve ser abordado constantemente.

“Embora os/a bancários, os/as trabalhadores da saúde e de telemarketing evidenciem mais os casos de sofrimento mental e problemas relacionados ao suicídio, precisamos estar atentos e atentas aos/as trabalhadores/as de todas as atividades e ramos da economia”, explicou. “Atuamos no combate ao assédio moral e sexual e todas as formas de violências que impliquem em dano psíquico/físico ao/a trabalhador/a; Com a retirada de direitos, o agravamento da precarização do trabalho, o desemprego, a falta de políticas sociais de inclusão e destruição de renda, aumento da violência, os problemas relacionados à ansiedade, tristeza, depressão aumentam e o suicídio é um desfecho muito triste de tudo isso”, apontou a secretária.

De acordo com Madalena, o trabalho é necessário e um direito, mas n atual cenário político-social não tem sido garantido em condições dignas para que homens e mulheres desenvolvam suas atividades com valorização, respeito e dignidade. Ela observa que a precarização das relações de trabalho devem ser pautas urgentes nos sindicatos, já que estão intimamente ligadas com questões relacionadas à saúde dos e das profissionais.

“É comum as queixas relacionadas à pressão dos empregadores para atingir metas, produzir cada vez mais sem as garantias da saúde e segurança do trabalhador ou trabalhadora nos locais de trabalho, não podemos aceitar que profissionais adoeçam física e mentalmente para que o sistema capitalista acumule riquezas sem que não são distribuídas.”, contou. “A ação sindical tem que levar em consideração que temos que lutar pelo mundo que nós queremos e que seja justo e solidário, com respeito à vida e com garantia de direitos; esse é um dos desafios que está posto para o movimento sindical”, concluiu Madalena.

Setembro Amarelo

Esta campanha, conhecida como “Setembro Amarelo”, foi criada em 2015 pelo Centro de Valorização da Vida (CVV) juntamente com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e o Conselho Federal de Medicina (CFM).

O CVV é um serviço voluntário e gratuito de prevenção do suicídio e presta apoio emocional a todas as pessoas que desejam conversar, sob total sigilo, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email e chat 24 horas todos os dias.

O atendimento é feito por telefone, através do número 188 (sem custos) ou pelo site da CVV via chat, e-mail ou carta.