Mesmo que haja corte nos recursos repassados para o Sistema S, como defendeu o ministro da Economia, Paulo Guedes, as atividades do Sebrae na Paraíba não serão paralisadas, garantiu o superintendente do órgão, Walter Aguiar. “Com certeza, no entanto, haverá um comprometimento muito grande da contribuição que o Sebrae desempenha no estado e consequentemente da economia paraibana, tendo em vista que 99% das empresas daqui são pequenos negócios”, destacou Walter.

Publicidade

“É fundamental o planejamento, principalmente em épocas de crise como a gente que estamos vivendo agora. É também nesse sentido que o Sebrae é imprescindível para esses pequenos negócios. Caso não haja o papel que nós desempenhamos, essa equação fica ainda mais difícil”, disse.

Segundo o superintendente, caso haja, de fato, o corte de recursos, serão buscadas parcerias junto a outro órgãos, no intuito de que continuem sendo oferecidas à sociedade o máximo de atividades possíveis. “Nós temos consciência da nossa importância, de que somos a alma do processo de desenvolvimento e, por isso mesmo, não vamos deixar que caso haja um corte de recursos nós deixemos os pequenos negócios na mão”, defendeu.

Para o ano de 2019, a previsão é de que sejam atendidos pelo Sebrae Paraíba 37 mil potenciais empresários e 27,5 mil pequenos negócios, além de serem realizadas 936 cursos presenciais, palestras e oficinas, 34 feiras e 31 seminários e 120 mil atendimentos empresariais.

No último mês de dezembro, o atual ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o corte de recursos para o Sistema S poderia chegar a 50%.

Comente