Associação Comercial da Paraíba desmente cobrança de impostos em transações via Pix

ACPB também explicou que o Convênio ICMS CONFAZ autoriza a Receita Estadual a acompanhar as transações realizadas pelos clientes através da ferramenta

A Associação Comercial da Paraíba (ACPB) se pronunciou através de nota, nesta terça-feira (13), sobre a fake news que tem se espalhado pelo Estado, acerca de uma possível tributação nas operações financeiras realizadas através do Pix.

+“Pix não cria tributo”, diz secretário da Fazenda da Paraíba após fake news

Na nota, além da ACPB desmentir a informação, também explicou que o Convênio ICMS nº 50/2022 do Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ), autoriza a Receita Estadual a acompanhar as transações realizadas pelos clientes através do Pix. Isto significa que as empresas deverão adequar seus sistemas a essa mudança e todas as operações nessa modalidade deverão ter cobertura de documento fiscal, como acontece atualmente com os cartões de débito e de crédito.

Veja nota na íntegra:

Tendo em vista os diversos rumores, e as inúmeras fake news, que estão sendo propagados nas redes sociais afirmando que não pode o Estado da Paraíba tributar as operações financeiras realizadas por meio do Sistema de Pagamento Instantâneo (PIX), a Associação Comercial da Paraíba (ACPB), com o intuito de informar a todos os seus associados, bem como a toda população do Estado da Paraíba, vem a público prestar o presente esclarecimento.

Inicialmente, destaca-se que não houve a criação de nenhum tributo por parte dos estados da federação, e nem haverá a tributação das operações realizadas por meio do PIX pelo Estado da Paraíba.

O Convênio ICMS nº 50/2022 do Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ), que alterou o Convênio ICMS nº 134/16, tão somente trouxe a possibilidade da utilização pelos estados federados das informações prestadas por instituições financeiras relativas às transações eletrônicas via PIX.

Para ler a matéria completa, acesse: www.acpb.org.br/blog/