Áudios atribuídos a um assessor do vereador Malba de Jacumã (Solidariedade), Diêgo de Camarão, circulam pelas redes sociais denunciando um suposto caso de extorsão, em Conde.

De acordo com o relato, o vereador Malba cobra do assessor metade de seu salário.

“Eu como assessor do vereador Malba de Jacumã, recebo um salário de R$ 860 e tenho que repassar metade do salário para ele. Isso não é correto, sendo eu assessor tendo que repassar obrigatoriamente R$ 430 para o vereador Malba. Não é certo e eu tenho como provar que isso ocorreu nos últimos dois meses”, alegou.

Ainda de acordo com Diêgo, essa prática possivelmente acontece com outros vereadores que oposição a prefeita Márcia Lucena (PSB).

“Eu tenho prova que desses dois vereadores que estão ‘metendo o pau’ na gestão, um dos assessores de um desses vereadores tem que repassar metade do salário para que ele não seja exonerado. Eu tenho provas, ligações gravadas”, afirmou.

Malba é alvo de processo judicial

A Justiça acatou, em agosto deste ano, a queixa-crime da prefeita da cidade de Conde Márcia Lucena (PSB), contra o vereador Malba de Jacumã (SD).

Na decisão, a juíza Daniere Ferreira de Souza, mandou intimar o vereador para que ele apresente fatos que possam comprovar as denúncias feitas por ele em uma rede social de que Márcia Lucena estaria praticando corrupção passiva.

“Determino a citação do querelado já qualificado nos autos para que apresente resposta escrita no prazo legal, no qual poderá acostar documentos e arrolar testemunhas” diz trecho do despacho.

A juíza ainda determinou que seja afastada a imunidade parlamentar do vereador para que ele possa apresentar a sua defesa.

O vereador Malba teria comentado em uma rede social que a prefeita estaria desviando dinheiro para utilizar na campanha eleitoral da deputada Estela Bezerra.

Diante da acusação, a prefeita processou o parlamentar por calúnia e difamação e a queixa que foi acatada pela Justiça.

Comente