Após Hong Kong, Holanda e Bélgica registram reinfectados por Covid-19

Relato dos dois casos europeus acontece um dia depois que cientistas de Hong Kong confirmaram o primeiro caso de reinfecção

Cientistas da Holanda e da Bélgica afirmam que mais dois pacientes, um em cada país, foram reinfectados pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), noticiou a imprensa holandesa nesta terça-feira (25). O relato dos dois casos europeus acontece um dia depois que cientistas de Hong Kong confirmaram o primeiro caso de reinfecção.

O paciente holandês era um idoso com sistema imunológico enfraquecido, afirmou a virologista holandesa Marion Koopmans, segundo a emissora NOS. O governo holandês ainda não se pronunciou sobre o caso.

“Que alguém apareça com uma reinfecção não me deixa nervosa. Temos que ver se isso acontece com frequência”, declarou Marion Koopmans, de acordo com a emissora alemã Deutsche Welle.

“Todas as infecções por Sars-CoV-2 têm uma impressão digital diferente, um código genético”, explicou Koopmans à NOS. “As pessoas podem carregar alguma coisa consigo por muito tempo após uma infecção, e ocasionalmente secretar um pouco de RNA [material de que o código genético do novo coroanvírus é feito]”, disse.

Para que uma recontaminação seja confirmada, é preciso provar que o código genético do primeiro vírus é diferente do segundo. Isso foi feito no caso de Hong Kong, e, segundo a emissora NOS, também parece ser o caso da Holanda.

Koopmans lembra que infecções das vias respiratórias, como a Covid-19, podem ocorrer duas ou mais vezes. A virologista avalia que a questão, agora, é o quanto dura a imunidade média. Pacientes com sintomas mais graves desenvolvem, com frequência, mais anticorpos que aqueles com sintomas leves.

“Só porque você desenvolveu anticorpos não significa que está imune”, alerta.
Caso belga

Na Bélgica, a paciente é uma mulher que se infectou pela primeira vez em março e pela segunda vez em junho. A emissora NOS afirmou que a paciente belga apresentou apenas sintomas leves.

Segundo o virologista Marc Van Ranst, o código genético do vírus foi identificado em ambas as infecções. “Existem, de fato, diferenças suficientes para se poder falar de outra infecção”, disse.

“Acho que nos próximos dias veremos outras histórias semelhantes. Essas podem ser exceções, mas existem e não são apenas uma. Não é uma boa notícia”, completou Van Ranst.

O virologista explicou à emissora holandesa, ao comentar o caso belga, que os anticorpos que a paciente desenvolveu na primeira infecção não eram fortes o suficiente para evitar uma nova contaminação, por uma variante ligeiramente diferente, do novo coronavírus.

Segundo Van Ranst, é possível que as pessoas que contraem o vírus sejam simplesmente mais suscetíveis ao vírus. “Talvez haja muito mais pessoas que, depois de seis ou sete meses, possam ter uma reinfecção”, afirmou.

Reinfectado em Hong Kong

Pesquisadores da Universidade de Hong Kong anunciaram na segunda-feira (24) que um homem de 33 anos, aparentemente saudável, foi infectado duas vezes pelo novo coronavírus em um intervalo de 4 meses e meio.

Ao ser contaminado pela 1ª vez, o paciente teve apenas sintomas leves; na segunda vez, nenhum sintoma. A análise do código genético do vírus mostrou que o vírus da segunda infecção pertencia a uma linhagem diferente da primeira.

Reinfecção é ‘possível’, mas não ‘parece ser comum’

A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou que a reinfecção é possível, mas que os casos de reinfecção pelo novo coronavírus não parecem ser comuns. “É um caso documentado em mais de 23 milhões. E provavelmente veremos mais casos, mas parece não ser um evento regular”, afirmou a porta-voz Margaret Harris sobre o caso em Hong Kong.

Hong Kong identifica 1º caso de reinfecção por Covid-19; OMS pede cautela com conclusões

Na terça, ao comentar o caso de Hong Kong, a líder técnica da OMS, Maria van Kerkhove, afirmou que, segundo o que se sabe até agora, todos que são infectados pelo Sars-CoV-2 desenvolvem algum nível de imunidade contra ele – a questão é saber o quão protetora ela é e por quanto tempo dura.

Implicações para a vacina

O surgimento de casos comprovados de reinfecção alimenta temores sobre a eficácia das vacinas que estão em teste, embora os especialistas digam que seria necessário haver muito mais casos de reinfecção para que eles se justificassem.

Margaret Harris frisou que a proteção que seria gerada por uma vacina é diferente daquela que ocorre quando a pessoa se infecta naturalmente com o novo coronavírus. A expectativa é que a vacina dê mais imunidade do que a infecção natural – como foi o caso dos pacientes reinfectados até agora.

“Você quer que [a resposta imune com a vacina] seja mais forte. Então, depende do vírus. Cada vírus tem perfis diferentes ou tipos de imunidade diferentes que ele estimula – o que chamamos de imunidade natural: o que o seu corpo faz se você for infectado”, explicou Harris.

Do G1

Comente