Após denúncias, secretário de Saúde da PB diz que ser médico não garante vacinação

De acordo com Geraldo Medeiros, qualquer pessoa que não se encaixe no grupo prioritário para imunização contra a Covid-19 será classificada como fura fila

O secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros comentou, em entrevista nesta quarta-feira (20), sobre as pessoas que estão sendo imunizadas contra a Covid-19 nesta primeira etapa, mas não se enquadram no grupo estabelecido pelo Ministério da Saúde.

“Essas notícias veiculadas em redes sociais e imprensa, denunciado privilégios e fura filas, elas realmente são tristes. No momento como esse da pandemia, em que temos ainda poucos lotes de vacinas disponíveis e tivemos todo cuidado em selecionar o grupo que receberá inicialmente essas vacinas, que são os profissionais de saúde”, ressaltou.

Para o secretário, o prefeito de Pombal, Abmael de Sousa Lacerda, conhecido como Dr. Verissinho (MDB), primeiro vacinado contra a doença no município, furou a fila da imunização.

Geraldo Medeiros destacou que a prerrogativa da Secretaria de Estado da Saúde (SES) é receber, condicionar e distribuir a vacina para as cidades paraibanas. Após isso, a responsabilidade é dos respectivos secretários municipais de saúde. Ele também ressaltou que uma nota técnica foi assinada com o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (COSEMS).

De acordo com Geraldo, a responsabilidade para que não ocorra esse tipo de ação é do secretário de Saúde do município. Mas, caso a população queira denunciar, pode procurar o Ministério Público da Paraíba (MPPB).

“Se o cidadão paraibano se sente lesado e está observando privilégios por ser parente de alguém, de profissional de saúde ou agente político e não está enquadrado nessa leva que foi definida pelo Ministério da Saúde, ele deve denunciar ao Ministério Público”, explicou.

O secretário ainda revelou que não foi vacinado contra a doença e vai esperar sua vez. Ele também lembrou que qualquer pessoa que não se encaixe no grupo prioritário será classificada como fura fila.

“Quando for propiciado à minha idade o direito de se vacinar, aí sim me vacinarei. O fato de eu ser médico e ter contato com pacientes Covid não me dá direito de me vacinar nesse momento”, pontuou.