Apontado por delator como negociador de Cássio junto a Odebrecht se apresenta à PFNota publicada nesta quinta-feira (12) pelo jornalista Marcelo Rocha na coluna Expresso, da Revista Época, revela que o funcionário do Senado Luiz Stern, ex-assessor do tucano Cássio Cunha Lima (PB), procurou a Polícia Federal para propor uma acareação entre ele e o ex-executivo Alexandre Barradas, delator do grupo Odebrecht.

Leia também:

No encalço de Cássio, PF chega a ex-assessor que teria negociado propina de R$ 800 mil com a Odebrecht

Luiz Stern, que segundo Época foi exonerado do gabinete do senador paraibano em março do ano passado, foi apontado por Barradas como responsável por negociar o repasse de R$ 800 mil através de caixa 2 para a campanha de Cássio ao Governo da Paraíba em 2014.

Segundo Alexandre Barradas, Cássio teria o apresentado a Stern em maio de 2014. Em depoimento à PF, o senador paraibano negou que os tenha apresentado. O ministro Gilmar Mendes, relator do inquérito contra o tucano no Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu à PF mais 60 dias de prazo interrogar Stern.

“A colaboração de Barradas levantou suspeitas sobre a participação de Stern na intermediação do repasse de R$ 800 mil ao parlamentar nas eleições de 2014. Stern esteve na Polícia Federal. Disse a investigadores que está à disposição para sentar frente a frente com o colaborador”, diz o jornalista da revista Época.

Clique aqui ou leia a nota abaixo na íntegra.

Funcionário do Senado propõe à PF acareação com delator da Odebrecht

Ligado ao senador Cássio Cunha Lima, Luiz Stern nega envolvimento no repasse de dinheiro ao tucano

O funcionário do Senado Luiz Stern, ligado ao tucano Cássio Cunha Lima (PB), propõe uma acareação com Alexandre Barradas, delator do grupo Odebrecht. A colaboração de Barradas levantou suspeitas sobre a participação de Stern na intermediação do repasse de R$ 800 mil ao parlamentar nas eleições de 2014. Stern esteve na Polícia Federal. Disse a investigadores que está à disposição para sentar frente a frente com o colaborador.

Reveja abaixo vídeo da delação em que Barradas cita Cássio

Camara Municipal