Aneel decide manter conta de luz sem tarifa extra até dezembro devido à pandemia

De acordo com análise dos técnicos da Aneel, o cenário de redução de carga e as perspectivas de geração de energia possível tornam o acionamento da bandeira verde

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu, nessa terça-feira (26) suspender, até dezembro, a taxa extra na conta de luz, cobrada por meio das bandeiras. Com isso, a bandeira segue verde até o fim do ano, devido à crise econômica causada pelo coronavírus.

“Trata-se de mais uma medida emergencial da Agência para aliviar a conta de luz dos consumidores e auxiliar o setor elétrico em meio ao cenário de pandemia da Covid-19”, destacou a Aneel.

Os valores das bandeiras tarifárias são atualizados todos os anos e levam em consideração parâmetros como estimativas de mercado, inflação, projeção de volume de usinas hidrelétricas, histórico de operação do Sistema Interligado Nacional.

De acordo com análise dos técnicos da Aneel, o cenário de redução de carga e as perspectivas de geração de energia possível tornam o acionamento da bandeira verde nos próximos meses.

Além disso, os custos cobertos pelas bandeiras estão contempladas na chamada Conta-Covid, um empréstimo ao setor elétrico feito junto aos bancos públicos e privados, com o objetivo de aliviar os impactos da atual crise no setor elétrico.

Assim, a Agência decidiu suspender o acionamento das bandeiras até dezembro.

O sistema de bandeiras foi criado em 2015 pela Aneel como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia gerada por meio de usinas térmicas, que é mais cara do que a de hidrelétricas.

A cor da bandeira é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) e indica o custo da energia em função das condições de geração de eletricidade.

Quando chove menos, por exemplo, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e são necessários mais térmicas para garantir o suprimento de energia no país. Nesse caso, a bandeira fica amarela ou vermelha, de acordo com o custo de operação das termelétricas acionadas.

Do O Globo

Comente