Anderson Torre diz que documento encontrado pela PF foi tirado de contexto

Moraes ordena a prisão de Anderson Torres, ex-ministro de Bolsonaro
Anderson Torres e Bolsonaro - Foto: Arquivo

O ex-ministro da Justiça Anderson Torres afirmou nesta quinta-feira (12) em rede social que um documento encontrado pela Polícia Federal em sua casa “foi vazado fora de contexto”.

Segundo o jornal “Folha de S.Paulo”, a Polícia Federal encontrou na casa de Torres uma minuta de um decreto para instaurar estado de defesa no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e mudar o resultado das eleições de 2022. A informação foi confirmada pela GloboNews.

Torres disse que:

“No cargo de Ministro da Justiça, nos deparamos com audiências, sugestões e propostas dos mais diversos tipos. Cabe a quem ocupa tal posição, o discernimento de entender o que efetivamente contribui para o Brasil.

Havia em minha casa uma pilha de documentos para descarte, onde muito provavelmente o material descrito na reportagem foi encontrado.

Tudo seria levado para ser triturado oportunamente no MJSP. O citado documento foi apanhado quando eu não estava lá e vazado fora de contexto, ajudando a alimentar narrativas falaciosas contra mim.”

A medida pode ser considerada inconstitucional. Segundo especialista ouvido pelo g1, o “propósito” do decreto “seria interferir no Tribunal Superior Eleitoral para Bolsonaro se autodeclarar vencedor das eleições”.

A PF esteve na casa de Anderson Torres na terça-feira (10) para cumprir o mandado de prisão expedido pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, mas o ex-secretário de Segurança Pública não estava.

Os agentes deixaram o local com malotes recolhidos na casa. A minuta do decreto estava entre o material apreendido.

PF faz operação na casa de Anderson Torres, em Brasília — Foto: Reprodução

PF faz operação na casa de Anderson Torres, em Brasília — Foto: Reprodução

Torres era o secretário de Segurança Pública do Distrito Federal no dia em que golpistas atacaram os prédios dos Três Poderes.

Até o fim do ano passado, Anderson Torres ocupava o cargo de ministro da Justiça do governo de Jair Bolsonaro. No dia 2 de janeiro, foi nomeado secretário de Segurança pelo então governador Ibaneis Rocha do DF, afastado do cargo sob suspeita de ter sido conivente com os atos golpistas. Do g1.Ex-ministro