Além de indisciplina em JP, Anísio apoia chapas bolsonaristas na PB, alega PT

Nacional ainda destacou que campanha do candidato petista irá causar prejuízos financeiros e dívidas, que "foram desautorizadas pelas instâncias partidárias"

O diretório nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) pediu, no domingo (1º), o cancelamento do registro da candidatura de Anísio Maia em João Pessoa, que tem como vice Percival Henriques (PCdoB), assim como a expulsão do petista da sigla na capital paraibana. Conforme a legenda, o deputado tem se tornado instrumento da direita na Capital.

“Ao insistir em ser candidato de si mesmo, o deputado estadual Anísio Maia sequestra o tempo reservado ao PT no horário eleitoral para dividir o campo progressista em João Pessoa, tornando-se instrumento da direita em João Pessoa”, afirma trecho do documento.

No ofício, assinado pela secretária Nacional de Organização, Sonia Braga, consta entre as justificativas que Anísio teria deixado a chapa do PSB-PT em Belém do Brejo do Cruz, no interior da Paraíba, para fazer campanha aberta aos candidatos da base do Bolsonarismo. De acordo com o documento, mesmo com o PT disputando a vice no município, Anísio decidiu declarar apoio ao prefeito Evandro Maia, do PL, o que conforme a Executiva nacional, desrespeita frontalmente o artigo 229 do Estatuto.

“Em outra demonstração clara de que preferiu se tornar um adversário de seu próprio partido, Anísio Maia extrapolou os limites da democracia interna, ao acionar as instâncias da Justiça Eleitoral para obstar as deliberações partidárias – no que, aliás, vem sendo atendido com celeridade que nos causa certa estranheza”, desta trecho.

O PT Nacional ainda destacou que a campanha do deputado petista irá causar prejuízos financeiros e dívidas, que “foram desautorizadas pelas instâncias partidárias, a exemplo das despesas para a contratação da agência que produz os programas indevidamente utilizados no horário eleitoral.”

De acordo com o pedido, Anísio fez uso do tempo de guia do PT no horário eleitoral para fazer ataques contra a direção nacional e também utilizou a gravação de um depoimento antigo, editado e fora de contexto, para simular o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em sua campanha.

Para o diretório nacional, “fica claro, portanto, que o deputado estadual Anísio Maia cometeu diversas infrações éticas e disciplinares, previstas no artigo 227 e 229 do Estatuto, desrespeitando à orientação política e as deliberações regularmente tomada pelas instâncias competentes do partido.”