Afeganistão retoma aulas em universidades, sem mulheres

As universidades do Afeganistão retomaram as aulas nesta segunda-feira (6), após o recesso de inverno (hemisfério norte, verão no Brasil), mas apenas os homens retornaram às salas, porque as alunas permanecem vetadas dos centros de ensino superior pelo governo Talibã.

A proibição de frequentar a universidade é uma de várias restrições impostas às mulheres pelo Talibã desde que o movimento fundamentalista retornou ao poder, em agosto de 2021.

A discriminação das mulheres no Afeganistão foi criticada ao redor do planeta, inclusive em países muçulmanos.

“É de partir o coração ver os homens seguindo para a universidade, enquanto nós temos que ficar em casa”, lamentou Rahela, 22 anos, moradora da província central de Ghor. “Isto é discriminação de gênero contra as mulheres porque o Islã nos permite buscar o ensino superior. Ninguém deve nos impedir de aprender”.

O governo Talibã impôs a proibição depois de acusar as alunas de ignorar o rígido código de vestimenta para as mulheres e a exigência de serem acompanhadas por um parente do sexo masculino na ida e na volta do campus.

Antes do veto, a maioria das universidades já havia adotado entradas e salas de aula segregadas por gênero. E as mulheres só tinham aulas com professoras ou homens idosos.

“É doloroso observar que milhares de garotas estão privadas do acesso à educação”, declarou Mohamad Haseeb Habibzadah, estudante de Ciência da Computação na Universidade de Herat.

Em Cabul, Ejatullah Nejati, estudante de Engenharia, disse achar que as mulheres têm o direito fundamental ao ensino. “Mesmo que frequentem as aulas em dias separados, isto não é um problema. Elas têm direito à educação”.

Medo do governo

Waheeda Durrani, que antes da proibição estudava Jornalismo em Herat, afirmou que o governo Talibã deseja que as jovens continuem sem receber educação.

“Se as meninas e mulheres afegãs receberem educação, elas nunca aceitarão um governo que explora o islã e o Alcorão”, disse. “Elas defenderão seus direitos. Esse é o medo do governo”.

Vários líderes talibãs afirmaram que a proibição às mulheres é temporária, mas também não autorizaram o retorno das jovens às escolas do Ensino Médio, fechadas há mais de um ano.

O governo apresentou várias alegações para o fechamento dos centros de ensino, que vão da falta de recursos até a necessidade de tempo para ajustar o currículo aos ensinamentos islâmicos.

A realidade, de acordo com algumas fontes do Talibã, é que os clérigos ultraconservadores que aconselham o líder supremo do Afeganistão, Hibatullah Akhundzada, são profundamente céticos a respeito da educação moderna para as mulheres.

Desde que retornou ao poder, o Talibã excluiu as mulheres da vida pública. Elas foram afastadas de muitos empregos públicos e muitas são relegadas a permanecer em casa, recebendo uma fração de seu salário. 

Também são vetadas de frequentar parques, feiras, academias e banheiros públicos. E devem cobrir todo o corpo em público.

Grupos de defesa dos direitos humanos criticaram as restrições e a ONU denunciou um “apartheid de gênero”.

A comunidade internacional insiste que o direito de educação das mulheres deve fazer parte das negociações sobre a ajuda ao país e o reconhecimento do regime Talibã.

Até o momento nenhum país reconheceu o governo Talibã. Do g1.