Publicidade

Ações educativas no Clementino Fraga marcam o Dia de Combate a Aids

A dona de casa Maria Gorete Moura, 57 anos, que mora no município de Jacaraú, foi uma das primeiras pessoas a fazer o teste rápido para o diagnóstico de várias doenças como aids,  hepatite e sífilis na manhã desta segunda-feira (1º), no Hospital de Doenças Infectocontagiosas Clementino Fraga.  Ela contou que faz tratamento de outra doença na unidade de saúde, mas aproveitou o momento para fazer o exame. “A prevenção é sempre o melhor caminho”, destacou. A ação faz parte das atividades alusivas ao Dia Mundial de Combate a Aids, que estão sendo realizadas desde domingo (30) pelo Clementino Fraga, quando cerca de 400 pessoas fizeram o teste rápido na praia de Cabo Branco e participaram de outras ações de caráter educativo.

- Continua depois da publicidade -

Quem também fez o teste rápido foi o agricultor Manoel Inácio da Silva, 53 anos, que mora no município de Juripiranga. “Eu sempre venho aqui no Clementino fazer consultas e exames porque gosto muito do atendimento e hoje resolvi também fazer esse teste porque somos humanos e estamos sujeitos a pegar doenças”, destacou o agricultor. Ednalva Ribeiro da Silva, 30 anos, mora no município de Santa Rita e sempre vem ao Clementino Fraga  fazer consultas na área de infectologia e agora aproveitou para fazer o teste rápido, “pois acho que a gente deve procurar se cuidar e se  prevenir”, justificou.

A diretora geral do Clementino Fraga, Adriana Teixeira, disse que a ação realizada na manhã do domingo na Praia de Cabo Branco foi um sucesso. “Tivemos atividades de caráter educativo e preventivo e as pessoas foram receptíveis com a equipe e hoje estamos repetindo as mesmas ações aqui no hospital”, destacou a diretora.

Ela lembrou que o hospital cuida de diversas doenças infectocontagiosas, mas o importante é prevenir. “E é por isso que as nossas ações nesse sentido vão além do hospital”, completou.  Adriana Teixeira lembrou que, por meio do Projeto Clementino Itinerante, o atendimento tem sido feito em assentamentos, aldeias indígenas e outras comunidades. “Muitas vezes as pessoas que moram nesses locais têm dificuldades de procurar e de chegar até um serviço de saúde, então nós resolvemos ir até elas”, destacou a diretora.

Teste Rápido de HIV – Os testes rápidos são realizados a partir da coleta de uma gota de sangue da ponta do dedo. O sangue é colocado em dois dispositivos de testagem e, para chegar ao resultado, o profissional que realiza o teste segue um fluxo determinado cientificamente. Se os dois dispositivos tiverem os mesmos resultados, o diagnóstico já é fechado. Porém, se houver discordância entre os resultados, é feito outro teste com um terceiro para confirmação. Assim, o resultado tem a mesma confiabilidade dos exames convencionais e não há necessidade de repetição em laboratório.

Esse método permite que, em apenas meia hora, o paciente faça o teste, conheça o resultado e receba o serviço de aconselhamento necessário. Distribuído gratuitamente para serviços de saúde da rede pública, esse teste rápido é utilizado na maior parte das ações do ‘Fique Sabendo’, do Departamento de DS, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, principalmente devido a sua agilidade e praticidade.

Quem e quando fazer – O teste de aids não deve ser feito de forma indiscriminada. O aconselhável é que quem tenha passado por uma situação de risco, como ter feito sexo desprotegido, faça o exame.

Após a infecção pelo HIV, o sistema imunológico demora cerca de um mês para produzir anticorpos em quantidade suficiente para serem detectados pelo teste. Por conta disso, o mais aconselhável é que se faça o exame após esse período.

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
E-mail: [email protected] | WhatsApp: (83) 98176 - 1651

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar