- Publicidade -
Cotidiano

Caso Lagoa: PF diz que desvio de quase R$ 6,5 milhões está comprovado

Um dano total de quase R$ 6,5 milhões aos cofres da Prefeitura de João Pessoa. Essa é a constatação da Polícia Federal que estão nos laudos que tratam as obras de desassoreamento, demolição do muro de contenção e construção de um túnel na Lagoa, conforme está descrito no pedido de medidas cautelares à Justiça referente à primeira fase da Operação Irerês.

- Continua depois da publicidade -

A investigação da obra, que está sendo feita pelo MPF (Ministério Público Federal), é aprofundada a cada dia pelos órgãos para esclarecer o grau de participação de cada um dos envolvidos e o destino dado aos recursos que foram pagos à Compecc.

Quebra de sigilo

Na última sexta-feira (16), os inquéritos civil e criminal do Ministério Público Federal e Polícia Federal tiveram o sigilo quebrado, através de decisão da juíza da 16ª Vara Federal, Cristiane Mendonça Lage.

Em seu despacho, assinado no dia 9 de junho, a magistrada recomendou o levantamento do sigilo dos inquéritos que tramitam na PF e no MPF, justificando que antes, as investigações estavam em segredo de Justiça apenas para garantir os mandados de busca e apreensão realizados na primeira fase da Operação Irerês.

Afastamento de Cássio

Nesta segunda, o Paraíba Já divulgou, com exclusividade, cópias de documentos mostrando que a Polícia Federal pediu a suspensão da função pública do secretário de Infraestrutura de João Pessoa, Cássio Andrade, um dos investigados por suspeita de superfaturamento na obra da Lagoa. O MPF deu parecer favorável ao pedido da PF.

Os documentos mostram que, no pedido realizado no dia 31 de maio de 2017, o MPF ressaltou que a permanência de Cássio Andrade na gestão de Cartaxo poderia interferir diretamente nas investigações, seja destruindo provas ou intimidando demais servidores subalternos.

O pedido feito PF com o endosso do MPF, no entanto, foi negado pela Justiça Federal pouco antes da Operação Irerês, assim como um mandado de busca e apreensão de computadores e documentos na Secretaria de Infraestrutura da Prefeitura de João Pessoa.

Comente

Eliseu Lins

Eliseu Lins é baiano radicado na Paraíba, jornalista formado pela UFPB, com especialização em Jornalismo Cultural e capacitação em Gestão de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar