7ª Fase da Calvário cumpre mandados na PB, RN e RJ; ex-governador Ricardo Coutinho tem prisão decretada

Nova fase da Operação Calvário, denominada Juízo Final, determinou a prisão preventiva do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB); da deputada estadual Estela Bezerra (PSB); da prefeita de Conde Márcia Lucena (PSB); do ex-secretários Waldson de Souza, Gilberto Carneiro, Cláudia Veras e do irmão do ex-gestor, Coriolano Coutinho. Além deles, mais dez pessoas tiveram o pedido de prisão deferido pelo desembargador Ricardo Vital de Almeida.

Juízo Final

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (17), a Juízo Final, 7ª fase da Calvário, para combater organização criminosa atuante em desvio de recursos públicos destinados aos serviços de saúde no Estado da Paraíba, por meio de fraudes em procedimentos licitatórios e em concurso público, corrupção e financiamento de campanhas de agentes políticos, bem como superfaturamento em equipamentos, serviços e medicamentos.

A operação, realizada em conjunto com o o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado GAECO/PB, Ministério Público Federal e Controladoria-Geral da União – CGU, apura desvio de recursos públicos na ordem de R$ 134,2 milhões, dos quais mais de R$ 120 milhões teriam sido destinados a agentes políticos e às campanhas eleitorais de 2010, 2014 e 2018.

Cerca de 350 Policiais Federais, além de Procuradores da República e auditores da CGU dão cumprimento a 54 mandados de busca e apreensão e 17 mandados de prisão preventiva, nos estados da Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Goiânia e Paraná.

De acordo com as investigações, organizações socias, dentre outras, organizaram uma rede de prestadores de serviços terceirizados e de fornecedores, com a celebração de contratos com sobre-preço na gestão dos Hospitais de Trauma, de Mamanguape/PB e o Metropolitano em Santa Rita/PB.

De modo a se blindar de fiscalização do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba, a organização pagou reiteradamente vantagens indevidas, valendo-se de contratos de “advocacia preventiva” ou contratos de “advocacia por êxito”, de modo a ocultar ou dissimular a natureza, origem, disposição e movimentação dos valores.

Verificou-se ainda o uso eleitoral dos serviços de saúde, com direcionamento de atendimentos e fraude no concurso de pré-seleção de pessoal do Hospital Metropolitano no ano de 2018.

Após a constatação de que agente político, que ocupou cargo de alto escalão no executivo estadual, encontra-se fora do país, foi solicitada a inclusão do seu nome na difusão vermelha da Interpol.

Os investigados irão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes poderão responder pelos crimes previstos de organização criminosa, fraude em licitação, corrupção passiva e ativa.

Confira a decisão:

[pdf-embedder url=”https://paraibaja.com.br/wp-content/uploads/2019/12/Decisão-Calvário-Fase-VII.pdf” title=”Decisão Calvário – Fase VII”]

 

Comente