59% dos pequenos negócios paraibanos fecham temporariamente devido à pandemia

A crise provocada pela pandemia do coronavírus tem resultado, na Paraíba, no fechamento temporário de pequenos negócios e, também, na mudança de rotina e de estratégias para enfrentar o atual cenário econômico e social. É o que aponta nova pesquisa realizada pelo Sebrae Nacional, que entrevistou 54 empreendedores do estado entre os dias três e sete de abril, com o objetivo de acompanhar a situação dos pequenos negócios e auxiliá-los, através de uma série de iniciativas, a superarem esse momento de dificuldades e desafios.

Conforme os dados da pesquisa, a segunda deste tipo realizada desde o início da crise, mais da metade dos entrevistados paraibanos (59%) decidiu interromper temporariamente o funcionamento do negócio. Outros 31,3% afirmaram que continuam funcionando, mas precisaram realizar mudanças para isso, seguidos por 3,6% que disseram não ter mudado a sua forma de funcionamento. Já 6% dos entrevistados informaram que decidiram fechar de vez a empresa.

Questionados sobre o motivo para a interrupção do funcionamento, 77% dos entrevistados apontaram a determinação do governo como causa, enquanto 22,9% disseram se tratar de uma decisão da própria empresa. Ainda conforme os dados da pesquisa, os pequenos negócios entrevistados interromperam o seu funcionamento, em média, há 19 dias.

Já no universo das empresas entrevistadas que continuam em funcionamento, os números revelam que a maioria delas (52%) está trabalhando apenas com entregas ou de forma online. Já 36% disseram que estão funcionando com horário reduzido, 20% com rodízio de funcionários, 8% por meio do sistema drive thru e outros 8% através do home office.

Outras medidas implantadas foram: a concessão de férias coletivas, adotada por 35,1% dos entrevistados; a redução da jornada de trabalho com redução dos salários, implantada por 32,4% dos participantes; e a suspensão de contrato de trabalho, feita por 18,9% dos empresários.

Na avaliação da gerente de Estratégia do Sebrae Paraíba, Ivani Costa, os dados expõem a condição limitante em que se encontram as empresas, no que diz respeito ao aspecto da adaptação de sua operação às restrições do isolamento social. “Os números descrevem um comportamento mais conservador, que assume um risco menor para a operação. Embora o total de empresas que assumiram as práticas mais inovadoras seja bem expressivo, prevaleceu um comportamento mais cauteloso por parte dos empresários, dado o cenário de incertezas na economia”, comentou.

Faturamento

Questionados sobre os impactos da crise em seu faturamento mensal, 85,1% dos paraibanos participantes disseram que ele diminuiu, enquanto 6,1% disseram que ele aumentou. Para 1,2% dos entrevistados o faturamento mensal permaneceu igual, enquanto 7,4% não soube dizer ou não respondeu.

Demissões

Quando o assunto abordado pela pesquisa foi a necessidade de realizar demissões nos últimos 15 dias, 20% dos empreendedores afirmaram que demitiram, 38,4% declararam que não, enquanto 41,5% informaram que não possuem funcionários em seus negócios. Ainda conforme os dados, a média entre os que demitiram foi de dois funcionários.

Perspectivas

Com a necessidade do distanciamento social e das medidas que restringem o funcionamento do comércio e de uma série de outras atividades, o Sebrae quis saber dos empresários por quantos dias eles conseguem ficar com a empresa fechada e, ainda assim, terem recursos suficientes para pagarem as contas. Com base nas respostas, a média de dias obtida foi de 25,6. Já em relação ao período de tempo necessário para a economia voltar ao normal, os paraibanos acreditam que ele deve ser, em média, de 11 meses.

Sebrae em ação – Para apoiar os empresários nesse momento de crise, oferecendo orientação empresarial e capacitação, o Sebrae Paraíba reforçou os serviços oferecidos pela instituição através do telefone e da internet. Para obter informações, sugestões sobre o seu negócio e esclarecer dúvidas, os empreendedores podem entrar em contato com o Sebrae através da Central de Relacionamento (0800 570 0800), do Whatsapp (83 99193-3372) e do site da instituição, o http://www.sebraepb.com.br/.

Além disso, os empreendedores também podem acompanhar os conteúdos desenvolvidos especialmente para as redes sociais, além de acessar a plataforma de Educação a Distância (EaD) do Sebrae, no endereço ead.sebrae.com.br, que está oferecendo mais de 100 cursos gratuitos sobre diversos temas relacionados ao universo do empreendedorismo.

Comente