41 detentos e 102 servidores dos presídios da PB estão com coronavírus

Dos presos que foram infectados, 28 já se recuperaram, 12 estão internados em hospitais e um veio a óbito. 86 funcionários estão curados

Os números de detentos infectados pelo coronavírus na Paraíba subiu para 41 e 102 servidores testaram positivo para a doença, conforme dados da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), divulgados nesta segunda-feira (1º).

+Prefeituras têm até o próximo domingo para solicitar auxílio emergencial à União

Dos presos que foram infectados, 28 já se recuperaram, 12 estão internados em hospitais e um veio a óbito. Dos 102 funcionários do sistema prisional que testaram positivo para a doença, 86 estão recuperados e o diretor da cadeia pública de Mamanguape, que tinha contraído o vírus, morreu.

+Profissionais da atenção básica cobram da PMJP gratificação por atuação no combate à Covid

O maior número de infectados está na cidade de Patos, com 24 presos. Em Cuité, a segunda cidade com mais detentos com Covid-19, são 8 casos, seguido de Guarabira, com 5 casos, sendo 3 na João Bosco Carneiro e 2 no Vicente Claudino. João Pessoa tem 2 casos de detentos infectados, um no Roger e outro na Penitenciária Feminina Julia Maranhão, e Santa Rita e Queimadas têm 1 caso, cada.

A unidade de referência para presos com Covid-19 é a Penitenciária Juiz Hitler Cantalice, em João Pessoa, que foi reestruturada e foram criados leitos de internação para os casos leves. Os estados graves são encaminhados para os hospitais de referência no estado.

No plano de contingência adotado no sistema penitenciário da Paraíba estão diversas medidas de prevenção à Covid-19, como a suspensão das visitas nas unidades prisionais, o que já ocorre desde o dia 20 de março; implementação de visitas virtuais através de videochamadas; utilização da Carceragem da Central de Polícia da Capital para custódia dos presos temporários da região metropolitana de João Pessoa para que cumpram a quarentena mínima de 14 dias antes de sua inserção nas unidades prisionais.

Comente