2024 pode ser ano mais quente já registrado no planeta, dizem cientistas

Segundo serviço de monitoramento de mudanças climáticas da União Europeia, mês passado foi o junho mais quente já registrado

(Foto: Vinícius Schmidt/Metrópoles)
O mês passado foi o junho mais quente já registrado, disse o serviço de monitoramento de mudanças climáticas da União Europeia nesta segunda-feira, dando continuidade a uma série de temperaturas excepcionais que, segundo alguns cientistas, colocam 2024 no caminho para ser o ano mais quente já registrado no planeta

Todos os meses desde junho de 2023 — 13 meses consecutivos — foram classificados como os mais quentes do planeta desde o início dos registos, em comparação com o mês correspondente dos anos anteriores, informou o Serviço de Alterações Climáticas Copernicus (C3S) da União Europeia, em um boletim mensal.

Os dados mais recentes sugerem que 2024 poderá superar 2023 como o ano mais quente desde que os registos começaram, depois das alterações climáticas causadas pelo homem e do fenômeno climático natural El Nino terem empurrado as temperaturas para máximos recordes no ano até agora, disseram alguns cientistas.

“Agora estimo que há uma probabilidade de aproximadamente 95% de que 2024 supere 2023 como o ano mais quente desde que os registos de temperatura da superfície global começaram, em meados de 1800”, disse Zeke Hausfather, cientista investigador da organização sem fins lucrativos norte-americana Berkeley Earth.

Mais de 1.000 pessoas morreram devido ao calor intenso durante a peregrinação do hajj — viagem dos muçulmanos até Meca — no mês passado. Mortes foram registadas em Nova Deli, capital da Índia, que sofreu uma onda de calor sem precedentes, e entre turistas na Grécia.

Friederike Otto, cientista climática do Instituto Grantham do Imperial College London, disse que há uma “grande chance” de 2024 ser classificado como o ano mais quente já registrado.

“O El Niño é um fenômeno natural que sempre vai e vem. Não podemos parar o El Niño, mas podemos parar a queima de petróleo, gás e carvão”, disse ela. O fenômeno natural El Nino, que aquece as águas superficiais no leste do Oceano Pacífico, tende a aumentar as temperaturas médias globais.

O conjunto de dados do C3S remonta a 1940, e os cientistas cruzaram-nos com outros números para confirmar que o mês passado foi o junho mais quente desde o período pré-industrial de 1850-1900. As emissões de gases com efeito de estufa provenientes da queima de combustíveis fósseis são a principal causa das alterações climáticas.

Nos 12 meses encerrados em junho, a temperatura média mundial foi a mais alta já registrada em qualquer período desse tipo, 1,64 graus Celsius acima da média pré-industrial, disse o C3S.