Vídeo: Tucano nega que foi preso pela PF e que Cássio tenha sido cassado por corrupção

    1

    O deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB) rebateu a crítica do presidente estadual do PT, Charliton Machado, que disse que família Cunha Lima não tem ‘moral’ para protestar contra a corrupção. No último domingo, tanto Tovar, quanto o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) compareceram à manifestação anti-Dilma e corrupção em Campina Grande.

    Leia mais:
    Petista diz que Cunha Lima não tem moral para condenar corrupção: “Saiu pela porta dos fundos”
    Vídeo: Preso pela PF por compra de votos, deputado prestigia ato contra corrupção em CG
    Parente de Cássio é preso em CG por suspeita de compra de voto
    Crítico de Dilma, Cássio dobrou gastos de publicidade quando enfrentava crise
    Dinheiro voador: Site nacional cobra de Moro celeridade em investigação contra Cássio no STF
    Assista: Cássio diz que não foi cassado por corrupção e que tem moral pra criticar Dilma
    Lembrando da própria história, Cássio diz que foi cassado ‘por muito menos’ do que Dilma

    Tovar esclareceu que não faz parte da família Cunha Lima, que defende o PSDB e o senador Cássio Cunha Lima por convicção e ainda explica que não foi preso por compra de votos nas eleições passadas. “Vocês acham que eu, com 35 anos de idade, com quatro campanhas nas costas, eu iria no sábado da eleição fazer uma bobagem dessa?”, questiona, classificando aquele momento como um “pequeno percalço”. Além disso, afirmou que é um equívoco acreditar que Cássio foi cassado por corrupção e por improbidade administrativa.

    Relembre – Tovar Correia Lima,  na época candidato a deputado estadual pelo PSDB, foi preso na noite de 5 de outubro, no bairro das Malvinas, em Campina Grande, suspeito de compra de votos. O parlamentar tucano, que é genro do conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Fernando Catão, tio do senador Cássio Cunha Lima (PSDB), foi liberado após pagamento de fiança no valor de R$ 50 mil.

    Cássio foi cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE/PB), em 2007, por uso de programa social em benefício de sua candidatura à reeleição durante campanha eleitoral e por  uso eleitoreiro do jornal A União na campanha de 2006, em que recorreu das decisões e permaneceu no cargo. O Tribunal Superior Eleitoral, em 2008, confirmou a cassação, mas apenas em fevereiro de 2009 é que teve seu mandato cassado em definitivo. É neste momento que José Maranhão assume o cargo.

     

     

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here