Vereador rebate aliado de Manoel Junior e nega que traiu o PMDB

    0

    Um desconhecido. Foi desta maneira que o vereador Fernando Milanêz (PMDB) recebeu as críticas e alfinetadas do presidente estadual do PMDB jovem, Dhiêgo Amaranto, que chamou, recentemente, de “vereador de traidor”.

    Em entrevista ao Paraíba Já, Milanêz afirmou desconhecer a figura e garantiu não se sentir atingido com o adjetivo de traidor.

    “Dhiêgo? Quem é Dhiêgo? Eu não conheço esse rapaz, não vou discutir com uma pessoa que eu nem conheço. Quando querem me atacar vem com Dhiêgo, que é uma pessoa que eu nunca vi na vida. Porque não colocam o cacife de lá? Se ele é ligado a Manoel Junior, porque o próprio Manoel não vem me chamar de traidor? Aí eu poderia dizer quem eram os traidores do PMDB, se é que existem, porque eu conheço muito bem a política da Paraíba. Quando falam em traição isso não me atinge em nada. Acho que Manoel Junior não teria coragem de me chamar de traidor e espero que minha amizade com ele venha a ser preservada independente da posição que eu venha tomar. E outra, eu tô de saída do PMDB. “, rebateu.

    O vereador relatou que está saindo do partido de cabeça erguida e que acredita já ter atingido suas metas na Câmara. “Eu penso, será que eu não tô aqui tomando o lugar de alguém que possa vir aqui com mais disposição? Não é com beleza nem idade, é fazendo política com ética, porque eu digo a você, a única coisa que eu me envaideço é que eu saio com a cabeça erguida. O maior salário que eu levo é poder olhar nos olhos de todos. Eu não sou de agredir ninguém, eu respeito todas as posições, mas não dependo de ninguém. Desafio qual foi o partido que me deu um tostão, você pode dizer que já ouviu muita história minha, só não vai ouvir dizer que eu sou ladrão. Esse pra mim é o maior presente, que no dia 1 de janeiro de 2017, quando eu sair da Câmara eu vou sair com a consciência tranquila, mas vou deixar um filho no meu lugar e vou esperar pra ver o que Deus reserva pra mim. Eu gosto da política. Quem sabe o que vai acontecer?”, explicou.

    Questionado sobre possíveis insatisfações dentro do partido, Milanêz explicou. “Eu já falei isso várias vezes. Eu discordo da maneira, da metodologia do PMDB, e acho que não só eu. Eu acho que nessa coisa, Gervásio fala ao mesmo tom. Como é que o PMDB vai se comportar? Se as lideranças de peso do partido, por exemplo, Gervásio, ele vai ser o presidente da Assembleia, Tróccoli Junior, secretário do Estado, Olenca entrou como na Assembleia? São essas perguntas, fáceis de ser respondidas, mas difíceis de entender”, afirmou.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here