Ricardo reage a ameaça do CRM e dispara: tenham coragem de cobrar da PMJP

0

O governador Ricardo Coutinho (PSB) comentou nesta quinta-feira (4), durante entrevista à rádio Band News em João Pessoa, as denúncias de superlotação no Hospital Infantil Arlinda Marques.

Ricardo admitiu que existe superlotação na unidade, mas atribuiu o problema à falta de pactuação e de atendimentos de baixa complexidade, que poderia ser resolvido em outras unidades. Ele reagiu também a ameaça do Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) de sequestrar recursos do Estado para bancar atendimentos em hospitais privados.

“O Hospital Arlinda Marques faz cirurgia cardíaca, cirurgia neurológica, faz tratamento de rins, porque é um hospital de alta complexidade. Agora, a ordem do governador é atender a todos que o procuram. Então, chega gente para tomar nebulização e controlar febre, que deveriam ser resolvidos no PSF, nas UPAs ou no Hospital do Valentina”, declarou.

Ricardo revelou ainda que a Secretaria de Saúde do Estado procurou o Ministério Público, através da Promotoria da Saúde, porque a urgência do Hospital do Valentina, administrado pela Prefeitura de João Pessoa, estava fechada até a última sexta-feira (5).

Sobre a possibilidade do CRM pedir ao Ministério Público que sequestre ou bloqueie recursos do Estado para que os atendimentos fossem feitos na rede privada, o governador disse estar estupefato com a declaração do representante do Conselho.

“Estou estupefato! Não se tem piedade do serviço público. O Arlinda Marques faz procedimentos que a rede privada não faz. Tenham coragem de exigir de quem tem obrigação de atuar na baixa complexidade, tenham coragem de exigir obrigação da Prefeitura de João Pessoa”, destacou. As informações são do blog do jornalista Marcos Wéric.

Comente

Camara Municipal

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
E-mail: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here