Quer jogar futebol e estudar? Saiba como ir para os Estados Unidos

    0

    O meia Fábio Pereira era apenas um adolescente de 16 anos que se destacava nas peladas com os amigos em São Paulo quando recebeu um convite para passar a treinar nas categorias de base da Ponte Preta.

    Apesar do sonho de se tornar um jogador profissional de futebol, ele recusou a proposta. Mudar-se para Campinas significaria ter de abandonar o colégio e depositar todas suas fichas no sucesso esportivo.

    O que poderia significar o fim prematuro da carreira de Fábio dentro de campos foi, na verdade, o início da sua trajetória como jogador.O garoto encontrou uma forma de conciliar futebol e estudos indo para os Estados Unidos.

    Por dois anos, esteve na high school (equivalente ao ensino médio brasileiro) em Connecticut, no nordeste norte-americano. O sucesso na equipe de futebol do colégio lhe deu bolsa integral para estudar administração na Universidade de Michigan.

    Dos bancos e campos universitários, foi draftado para jogar no Seattle Sounders, time da Major League Soccer. Hoje, oito anos depois da escolha de tentar a sorte nos EUA, prepara-se para disputar o Campeonato Mineiro pelo Uberlândia.

    “Não trocaria o que eu vivi por nada. A cultura do futebol no Brasil é muito atrasada: ou você joga, ou estuda. O futuro é esse modelo dos EUA. Se eu tivesse ficado por aqui, teria outra cabeça. Ter estudado fora abriu muitas portas na minha vida”, disse o jogador, que, além da carreira nos gramados, também trabalha em uma empresa que administra patrimônios.

    Casos como o de Fábio têm se tornado cada vez mais comuns. Apenas a 2SV, empresa pioneira no ramo de exportação de atletas-estudantes no país, enviou mais de mil brasileiros para os colégios e universidades norte-americanas nos últimos dez anos.

    Desses, oito já se tornaram jogadores profissionais. A lista de intercambistas da empresa também teve filhos do técnico do Corinthians, Tite, e de Djalminha, ex-jogador do Palmeiras e do Flamengo.

    “Nosso foco não é formar jogadores profissionais, mas sim dar uma oportunidade de futuro para os meninos”, disse Ricardo Silveira, um dos sócios da empresa.

    Ele próprio teve uma carreira de atleta-estudante nos EUA. Formado em administração, custeou os estudos com a bolsa que recebia por fazer parte da equipe de futebol da Universidade da Carolina do Sul.

    “Uma faculdade nos EUA custa entre US$ 25 mil e US$ 50 mil por ano (até R$ 190 mil). O menino que joga bem vai pagar quase nada ou nada.”

    A empresa trabalha com estudantes-atletas de 13 a 21 anos. Quem tiver interesse em se aventurar nos EUA, passa por uma avaliação técnica, aulas de inglês, acompanhamento psicólogo e treinamentos para melhorar suas habilidades.

    Conforme as vagas surgem nos colégios e universidades parceiros do programa, as bolsas (de 10% ao valor integral do curso escolhido) vão sendo disponibilizadas. Se aprovado pelos treinador das equipe norte-americana, o garoto viaja e inicia os estudos/treinos. Esse processo costuma demorar entre oito a 14 meses.

    “Tenho amigos que jogam na base do São Paulo e do Corinthians e estão tentando sair de lá para ir para os EUA. Eles estão entendendo que vida vai além do futebol”, completa Fábio. As informações são do blog do Rafael Reis

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here