PT quer lançar candidatos em 20 capitais; em JP, nome deve ser definido amanhã

    0

    Diante da pior crise de sua história e da deflagração do processo de impeachment de Dilma Rousseff, o PT articula uma série de candidaturas próprias a prefeitos de capitais, em alguns casos com nomes pouco conhecidos, com mote da defesa do partido.

    Há pré-candidatos lançados em ao menos 20 das 26 capitais. Mas as maiores chances devem se concentrar em São Paulo, Belo Horizonte, Fortaleza, Rio Branco, Goiânia e Natal.

    Em João Pessoa, o nome ainda está indefinido. Após a negativa do deputado federal Luiz Couto para ser o representante da sigla nas eleições deste ano, restam apenas os nomes do ex-deputado Rodrigo Soares, Eduardo Fuba e Charliton Machado. Este último, é o favorito na disputa interna. O PT da Capital promete divulgar diretrizes e nome apenas amanhã. Porém, também o PSB pode ter o apoio dos petistas.

    Já o PSDB, de olho na alta rejeição do PT, já articula coligações com aliados tradicionais dos petistas, como o PMDB, hoje rachado entre aliados e oposicionistas no plano federal, e o PSB, este último rompido com o PT desde 2013.

    O PT deve se unir ao PMDB apenas no Rio de Janeiro.

    Para marcar posição, o PT estuda lançar nomes menos conhecidos em cidades como Vitória e Florianópolis.

    Na capital paranaense, onde tem histórica dificuldade, o partido já rompeu com o prefeito Gustavo Fruet (PDT) e deve lançar o deputado estadual Tadeu Veneri ao cargo.

    Vice-prefeita de Curitiba, Mirian Gonçalves (PT) diz que o principal estímulo para uma candidatura própria na cidade é fazer uma “defesa insistente” do partido e do governo federal, sem a qual a sigla pode se retrair.

    “A comunicação direta com o grande público é a televisão, é o espaço de campanha política mesmo”, afirma Gonçalves.

    Além de Fernando Haddad, em São Paulo, que atingiu 12% no último Datafolha, o partido também vai tentar reeleger o prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre.

    O vice-presidente nacional do PT Alberto Cantalice afirma que a ideia é usar a campanha para abordar o “legado” petista no governo federal e mostrar nas disputas locais programas como o Mais Médicos e o Minha Casa Minha Vida.

    Mas lembra que a direção nacional ainda não discutiu o “mapa eleitoral” nem as coligações para a campanha deste ano. “Vamos ter candidatos no maior número possível de cidades, principalmente nas com mais de 200 mil eleitores e naquelas com repetidora de televisão”, diz.

    Pelo Nordeste, principal base eleitoral petista, as chances de vitória reduzidas podem estimular o partido a buscar alianças com velhos parceiros como PDT e PCdoB.

    O PDT pode receber o apoio petista em São Luís, o que significará rompimento do PT com o PMDB da família Sarney, que terá nome próprio.

    As candidaturas próprias também podem resultar no fim das alianças com Renan Calheiros e Jader Barbalho feitas nas últimas eleições. Em Maceió, peemedebistas devem apoiar o prefeito Rui Palmeira (PSDB). Em Belém, PMDB e PT também se opor. Com informações da Folha de São Paulo.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here