Procon-JP e Sindicato das Escolas Privadas discutem reajuste escolar

0

Reajuste da mensalidade escolar e a inadimplência dos pais serão temas da reunião entre a Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor e o Sindicato das Escolas Particulares da Paraíba (Sinepe-PB) no próximo dia 18, na sede da entidade que representa as instituições de ensino particulares, na avenida General Osório, 78, no Centro da Capital. A escola que anunciar reajuste deve apresentar uma planilha de custo que justifique o aumento, de acordo com a Lei Federal 9870/1999.

O secretário do Procon-JP, Helton Renê, considera que a primeira reunião com o Sindicato das Escolas Particulares da Paraíba para tratar das questões dos estabelecimentos de ensino de João Pessoa, através do presidente da entidade, Odésio Medeiros, é muito importante porque vai discutir o que pode ou não ser feito em relação ao aumento da mensalidade e de como proceder em relação aos pais inadimplentes. “Recebemos a solicitação do Sindicato das Escolas para uma reunião e já marcamos o encontro para o dia 18 de outubro”.

Helton Renê salienta que “em caso de reajuste da mensalidade, a escola deve apresentar ao Procon-JP, uma planilha de custo que justifique o aumento, também ficando obrigada a afixá-la em local visível ao público em sua secretaria ou local da realização das matrículas escolares, por um período mínimo de 45 dias antes da data final para a matrícula”.

Intermediação – Quanto aos casos dos pais com mensalidades atrasadas em João Pessoa, o titular do Procon-JP adianta que a Secretaria se propõe a intermediar as negociações entre as duas partes. “Nessa reunião vamos conversar também sobre a inadimplência nas escolas e a melhor maneira de resolver essa questão. Lembro que os alunos não podem sofrer constrangimentos devido aos débitos dos pais. A lei garante que não se pode reter documentação dos estudantes, bem como não podem ser impedidos de fazer as provas”, informa, informa Helton Renê.

O secretário acrescenta que o acordo sobre valor de mensalidade entre pais e escolas deve ser cumprindo, mas os alunos não podem sofrer as consequências em caso de descumprimento. “Entendemos que existe a dívida e faremos o possível para que essa situação se resolva, inclusive estamos nos propondo a intermediar essa relação de consumo, às vezes bastante conflitante. E reafirmamos que os acordos realizados no Procon-JP são homologados pela Justiça e têm força de lei”, explica o secretário.

Sindicato – O presidente do Sindicato das Escolas da Rede Privada da Paraíba, Odésio Medeiros, afirma que essas reuniões com o Procon-JP, que já vêm ocorrendo há alguns anos, são importantes porque orienta sobre como as escolas devem proceder. “Nós recebemos as informações de quais são nossos direitos e deveres à luz da legislação em relação ao reajuste da mensalidade, a inadimplência e a lista de material escolar. Essas orientações são muito importantes porque evita o problema antes que ele se instale. Podemos dizer que são reuniões preventivas.”

Orientações aos pais e donos de escolas

– Todo aumento de mensalidade deverá ser acompanhado por uma planilha de custos da instituição, com a devida justificativa para os pais;

– Ao matricular o aluno, a escola não poderá se negar de prestar o serviço educacional, mesmo o pai do aluno estando inadimplente;

– Mesmo o “aluno” inadimplente poderá requisitar toda sua documentação como transferência ou histórico escolar, não cabendo à instituição qualquer proibição nesse sentido;

– Embora seja obrigado a prestar o serviço educacional ao aluno inadimplente, nenhum estabelecimento de ensino é obrigado a aceitar a matrícula do estudante cujo pai faltou com suas obrigações, mesmo havendo um acordo para quitação de dívidas anteriores;

– As escolas e universidades particulares deverão colocar em fácil acesso, todos os serviços cobrados no estabelecimento para visualização dos pais, através de manuais e placas afixadas nos locais de atendimento;

– Nenhuma escola poderá aumentar suas mensalidades num período inferior a um ano ou seis meses, no caso das universidades;

– O desligamento do aluno inadimplente só poderá ser feito no final do ano letivo (escolas) ou seis meses (universidades).

Comente

Camara Municipal

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
WhatsApp: (83) 99373-4023
E-mail: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here