Prefeitura diz que vai demitir prestadores de serviço da educação em greve

    0

    O prefeito de João Pessoa Luciano Cartaxo (PT) anunciou, no final da tarde desta quarta-feira (1°), que a prefeitura tomará ações contra os professores e servidores da Secretaria de Educação em greve.

    Através de nota, Cartaxo disse que os prestadores de serviço serão substituídos, o a frequência dos profissionais efetivos será cortado e que serão instaurados procedimentos administrativos para os efetivos em estágio probatório, já que, segundo a Prefeitura, 1.300 profissionais da Educação foram contratados por concurso público há menos de dois meses.

    “A PMJP sempre pautou pelo diálogo por meio de reuniões sucessivas, inclusive com a presença do prefeito Luciano Cartaxo, debatendo todos os pontos reivindicados pela categoria e mesmo diante das imposições feitas pelo movimento grevista, a PMJP garantiu reajuste salarial que mantém o nível de remuneração dos professores entre os melhores do Brasil e o segundo maior do Norte/Nordeste”, diz a nota.

    O texto diz ainda que a prefeitura apresentou proposta de retomada das negociações no mês de agosto, a fim de completar o percentual já concedido, desde que haja evolução positiva das receitas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), e que mesmo com a ilegalidade da greve determinada pela justiça, os professores não retornaram da greve.

     

    Confira a nota de esclarecimento sobre greve de professores na íntegra
    Em virtude do movimento grevista na rede municipal de ensino, a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) vem a público fazer os seguintes esclarecimentos:

    1- a PMJP sempre pautou pelo diálogo por meio de reuniões sucessivas, inclusive com a presença do prefeito Luciano Cartaxo, debatendo todos os pontos reivindicados pela categoria;

    2- mesmo diante das imposições feitas pelo movimento grevista, a PMJP garantiu reajuste salarial que mantém o nível de remuneração dos professores entre os melhores do Brasil e o segundo maior do Norte/Nordeste;

    3- a PMJP apresentou proposta de retomada das negociações no mês de agosto, a fim de completar o percentual já concedido, desde que haja evolução positiva das receitas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb);

    4- mesmo com as propostas apresentadas e a decisão judicial que determinou a ilegalidade da greve, o movimento resolveu não retornar às aulas, colocando em risco o ano letivo de 60 mil alunos.

    Diante desse quadro, a PMJP tomará as seguintes medidas administrativas:

    1-apontar corte de frequência para os efetivos;

    2- instaurar procedimento administrativo para os efetivos em estágio probatório, uma vez que 1.300 profissionais da Educação foram contratados por concurso público há menos de dois meses;

    3- substituir os prestadores de serviço.

    Sendo assim, convocamos todos os professores a retornarem às salas de aula para cumprimento de decisão judicial e das atividades curriculares.

    João Pessoa, 31 de março de 2015.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here