Polícia prende mãe acusada de maus tratos contra a filha em Catolé

    0

    A Polícia Civil de Catolé do Rocha cumpriu, nesta quinta-feira (30), o mandado de prisão temporária expedido pela Justiça contra Fernanda França da Silva, 22 anos, acusada de omissão ou participação nas lesões corporais contra a filha de oito meses que morreu no dia 25 de abril.

    A menina foi levada a primeira vez para o hospital de Catolé do Rocha na sexta feira (24) e depois de ser medicada foi liberada, mas voltou no dia seguinte para o hospital desta vez com um quadro grave de anemia. Diante da gravidade do caso, a criança foi encaminhada para o Hospital Infantil Noaldo Leite, em Patos, no Sertão paraibano. Na unidade foram observados sinais de maus tratos e suspeita de violência sexual. O laudo do Instituto Médico Legal de Patos (IML) feito no corpo da criança mostrou que ela tinha sofrido violências físicas, o que teriam provocado a morte da menina.

    O caso começou a ser investigado pela Polícia Civil de Catolé do Rocha no mesmo dia do fato. Depois de tomar vários depoimentos e confrontar a versão da mãe da criança com a de parentes a polícia concluiu que ela estava omitindo informações quando disse que não sabia como e quando as lesões foram provocadas na filha.

    “O que tornou o comportamento da mãe duvidoso, além da frieza da morte da própria filha, foi a afirmação insistente dela de que jamais tinha deixado a menina sozinha e que era a única que cuidava dela. Isto chamou a nossa atenção, principalmente porque a mãe tem por obrigação de saber o que se passa com uma criança de 8 meses”, disse a delegada seccional de Catolé do Rocha, Patrícia Fernandes Forny.

    Agora a polícia investiga a responsabilidade da mãe no caso, se ela agiu por omissão não dando os cuidados necessários à filha ou permitiu que os fatos acontecessem sendo conivente e, em último caso, se ela teria participado do crime de maus tratos contra a menina.

    Fernanda França foi encaminhada pelo delegado James Cilkero, responsável pelo inquérito, para o Presidio Feminino de Cajazeira para cumprir a prisão temporária, que tem o prazo de 30 dias e pode ser prorrogada por mais 30 ou ser transformada em prisão preventiva. O prazo de 30 dias da prisão temporária dá-se por se tratar de um crime hediondo que permite lapso temporal, diferente do que acontece em outros crimes.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here