Polícia apreende segundo suspeito de assassinar a estudante Meirilane Taís

0

Polícia apreende segundo suspeito de assassinar a estudante Meirilane TaísUm segundo adolescente suspeito de envolvimento na morte da universitária Meirylane Taís da Silva (foto), de 19 anos, ocorrido na noite da quarta-feira (15), foi apreendido na noite desta sexta-feira (17), em João Pessoa. Segundo a Polícia Militar, equipes passaram mais de 12 horas fazendo buscas na comunidade do Porto do Capim, no bairro do Varadouro, onde ele foi encontrado.

O corpo da universitária, que foi morta no bairro do Tambiá, foi enterrado no início da noite desta quinta-feira (16), no cemitério Boa Morte, em Itabaiana, cidade onde a jovem morava com a família. O velório aconteceu durante a tarde na Rosa Master. A cerimônia foi reservada à família, mas amigos, policiais miliares e outras pessoas também foram homenagear a jovem.

Ele foi levado a Central de Polícia Civil, no bairro do Geisel. De acordo com informações da Polícia Militar, o suspeito tinha sido apreendido há três meses, na mesma comunidade, por roubar uma arma.

Também nesta sexta-feira, o primeiro adolescente, de 17 anos, suspeito foi apreendido em uma vila no bairro do Roger, também na capital. Segundo a Polícia Militar, ele confessou que guiava a moto e contou que o crime foi cometido porque eles queriam dinheiro para ir a uma festa.

De acordo com o capitão Isaías Souza, da 3ª Companhia do 1º Batalhão, que coordenou as buscas, o jovem disse estava com um amigo, e foi chamado para pilotar a moto. “O adolescente contou que eles estavam atrás de dinheiro para ir a uma festa, aí disse que quando passaram pela jovem, o garupa mandou que ele voltasse para roubar o celular dela e que só escutou o disparo, tendo questionado momento depois da fuga, se ele tinha matado a garota”, disse.

Ainda segundo a polícia, o suspeito de atirar na universitária mora no Porto do Capim, no Varadouro, em João Pessoa, onde a PM realiza buscas para encontrá-lo. O jovem detido foi levado para a Central de Polícia Civil. O segundo suspeito não foi detido até as 15h40 (horário local).

Entenda o caso

Meirylane foi morta após ser abordada por dois homens em uma motocicleta branca, na esquina da Rua Deputado Barreto Sobrinho com a Avelino Cunha. De acordo com a Polícia Militar, a universitária estava indo a uma padaria que fica próxima à faculdade lanchar com uma amiga quando foi abordada. Ela viajava todos os dias de Itabaiana para João Pessoa com o objetivo de estudar.

Pai pede lei mais rígida

O pai de Meirylane, João Batista Silva, é policial militar e disse que não esperava que fosse lidar com a morte dentro da própria família.

“A gente nunca espera que vai acontecer com a gente, mas vê a fragilidade, fica surpreso e com medo dessa sociedade. Como pai, tenho pena deles, mas como policial, peço que a lei seja mais rígida”, disse.

Lotado no 3º Batalhão de Polícia Militar em Itabaiana, o sargento B. Silva, como é conhecido, explicou em entrevista à rádio CBN João Pessoa, que foi informado do crime pelo motorista do ônibus escolar que levava a filha dele todos os dias de Itabaiana, no Agreste paraibano, para Faculdade Internacional da Paraíba (FPB), onde ela cursava Biomedicina.

O sargento B. Silva conversou com a amiga da filha, que testemunhou parte do crime. “Ela contou que percebeu quando os dois homens na moto fizeram a volta. Ela chegou a gritar para minha filha correr, mas não deu tempo. A amiga conseguiu pedir ajuda, mas quando chamou um senhor perto da faculdade, ouviu o disparo”, relatou.

De acordo com o pai da estudante, os assaltantes conseguiram levar a bolsa da filha, mas o relógio ficou preso ao pulso da jovem, desabotoado.

“Eles não levaram o celular porque eu já tinha orientado ela para não andar com o celular exposto, nem dentro da bolsa. Acredito que pelo estado [de nervosismo], por não conseguirem tirar o relógio, deram um tiro no ouvido da minha filha”, explicou o policial militar pai da vítima.

Ainda de acordo com o sargento B.Silva, além de Biomedicina em João Pessoa, a Meirylane Thaís estava concluindo o curso técnico de Radiologia em Itabaiana e fazia estágio no hospital regional da cidade. “Quando saia do hospital, ela pegava o ônibus às 16h e seguia para João Pessoa e só voltava de meia-noite, todos os dias”, relembrou a rotina da filha.

O policial militar comentou que está recebendo a solidariedade dos colegas e pede que a população ajude com a investigação, no caso de alguém ter alguma informação, entrando em contato com a polícia pelo disque-denúncia. “Queremos que as Polícias Militar e Civil elucidem mais rápido o caso, mas é preciso que as leis sejam mais rígidas, para que os que cometem crimes, tenham medo, que a violência não seja tão facilitada”, concluiu.

Solidariedade e luto pela perda

A FPB informou por meio de nota que, por conta da morte da aluna, suspendeu as aulas nos três turnos nesta quinta-feira (16). Uma calourada que estava marcada para a sexta-feira (17) foi cancelada pela faculdade diante da consternação da comunidade estudantil. As aulas serão retomadas na sexta-feira. Ainda em nota, a instituição “lamenta profundamente o falecimento da aluna, tão jovem, vítima da violência.  A instituição se solidarizou com à família e  se colocou à disposição para ajudar as autoridades no que for necessário para as investigações”. As informações são do G1.

Comente

Camara Municipal

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
E-mail: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here