Deputado federal paraibano vai presidir CPI da Petrobras

    1

    O deputado Hugo Motta (PMDB-PB) foi indicado na noite de ontem (23) pelo líder do PMDB, deputado Leonardo Picciani (RJ), para presidir a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras. “A escolha se deu pelo seu histórico e por presidir no mandato passado, com muita altivez e competência, a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, o que o credencia para conduzir com muito vigor as investigações sobre os escândalos da Petrobras”, disse Picciani.

    O líder disse que o PMDB escolheu ficar com a presidência da comissão porque é ela que dita o ritmo dos trabalhos, e “o PMDB tem pressa nessas investigações, na apuração dos fatos”. De acordo com Picciani, a eleição de Hugo Motta para o cargo será tranquila e por acordo, como é tradição na Câmara. Segundo ele, Motta irá conduzir com vigor as investigações da CPI sobre a corrupção nos contratos da Petrobras.

    A CPI da Petrobras será instalada às 12h da próxima quinta-feira (26). Ela foi proposta principalmente por deputados de partidos de oposição para continuar as investigações sobre as denúncias de corrupção na Petrobras. A CPI tem como finalidade investigar a prática de atos ilícitos e irregulares no âmbito da Petrobras, relacionados ao superfaturamento e gestão temerária na construção de refinarias no Brasil, entre outras denúncias envolvendo a petrolífera.

    Leonardo Picciani descartou a possibilidade de a CPI se transformar em pizza. Segundo ele, há muita cobrança da sociedade para que se faça as investigações e também há desejo do Parlamento de investigar e apurar as denúncias para que os culpados sejam punidos. Em relação à relatoria dos trabalhos, Leonardo Picciani disse que ela deverá ficar com um deputado do PT, partido que tem a maior bancada da Câmara. “A tendência é a relatoria ficar com o PT”.

    Inicialmente, a presidência da CPI deveria ficar com o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), que disputou a liderança partidária com Picciani, mas o parlamentar baiano recusou a indicação para o cargo e o líder optou então por Hugo Motta, que está em seu segundo mandato parlamentar.

    O futuro presidente da CPI disse estar preparado para o cargo, e promete atuar com total isenção e imparcialidade, deixando de lado as conveniências políticas e partidárias. “Existem fatos que levam esta comissão a investigar muito mais que a CPMI da Petrobras, que funcionou no ano passado. Tenho expectativa muito grande com as investigações dos fatos. Vamos atuar com isenção e imparcialidade”, disse.

    “Vamos fazer um trabalho sério, com isenção e autonomia. Não vamos aceitar pressão, nem do governo nem da oposição”, disse Motta. Segundo ele, a CPI vai investigar o que for necessário, e salientou que não se pode “embolar o meio de campo” e prejudicar as investigações. “Vamos acatar o que for melhor para as investigações. Não tenho problema com as pressões”, enfatizou.

    O deputado Hugo Motta disse que defende que todas as pessoas envolvidas nas denúncias compareçam à CPI para prestar as informações necessárias às investigações. “O Brasil quer que essa CPI não erre”, argumentou.

    Da Agência Brasil

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here