PM reprime mais de 90 casos de violência doméstica no feriadão na Paraíba

0
219

A Polícia Militar atendeu 95 chamados de violência doméstica, das 19h da última sexta-feira (28) até 23h59 dessa segunda-feira (1º), em todo o estado. Todas as solicitações foram de denúncias da prática de violência física praticada por homens contra as próprias companheiras – uma das cinco formas de violência apontadas na Lei Maria da Penha.

Mais da metade dos casos se concentraram na região metropolitana de João Pessoa, com 60 chamados, sendo 36 em João Pessoa, sete em Santa Rita, cinco em Bayeux e dois em Cabedelo.

A cidade de Campina Grande também teve um número expressivo de chamados, com 17 solicitações nos bairros do Catolé, Castelo Branco, Acácio Figueiredo, Cruzeiro, Três Irmãs, José Pinheiro, Santo Antônio, Pedregal, Alto Branco e Bodocongó. Em um dos casos, no Pedregal, a PM conduziu um homem que, após uma discussão, agrediu a mulher com um pedaço de madeira.

Os atendimentos resultaram na prisão de mais de 20 suspeitos em flagrante, mas na maioria dos casos os agressores fugiram ao saber da presença da PM. Mesmo assim, as mulheres que se apresentaram aos policiais foram orientadas sobre como proceder nesses casos, com o objetivo de prevenir a reincidência dos autores e evitar que elas sejam novamente vítimas.

Capacitação – A Polícia Militar adota, desde 2011, nos cursos de formação de oficiais e praças, a capacitação dos policiais para o atendimento dos casos envolvendo violência doméstica e familiar, com a aplicação nos currículos de disciplinas sobre a temática, bem como realiza constantemente instruções nos batalhões para atualizar o conhecimento dos policiais acerca da legislação e rede de atendimento disponível para auxiliar no combate dessa prática, que na maioria dos casos é de violência física e patrimonial.

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
WhatsApp: (83) 99373-4023
E-mail: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here