A polêmica sobre o fim do racionamento d’água em Capina Grande e mais 18 localidades da região, anunciado ontem (8) pelo Governo do Estado, ganhou um novo capítulo na manhã desta quarta-feira (9).

Leia também:

Tôrres tacha oposição a RC em CG de ‘medíocre’ por ser contra fim do racionamento d’água

Depois de críticas feitas por vereadores de Campina Grande que fazem oposição ao governador Ricardo Coutinho (PSB), o deputado estadual deputado Guilherme Almeida (PSC) usou a tribuna da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), para concordar com a decisão tomada pelo Governo do Estado.

“A maior figura que representa essa opinião técnica, que é o secretário de Recursos Hídricos, Dr. João Azevêdo; se a Cagepa, que é justamente o órgão que faz ou desfaz o racionamento e dar exatamente o abastecimento para a nossa terra, para a nossa Paraíba, para Campina Grande; a Aesa, que regulamenta todos esses órgãos, tem a segurança, através de dados técnicos, de vazão, de acúmulo de água, que é possível terminar o racionamento em Campina Grande, é claro que eu vou acreditar nessas certezas que eles estão apresentando, e aí eu concordo também com o final do racionamento alicerçado nesses dados que estão apresentados”, discursou o deputado Guilherme Almeida, opositor do governador Ricardo Coutinho na ALPB.

Entenda o caso

Apesar de beneficiar diretamente mais de 700 mil pessoas, o anúncio do fim do racionamento na região de Campina Grande feito pelo secretário de Infraestrutura, Recursos Hídricos, Meio Ambiente e Ciência e Tecnologia, João Azevêdo, foi alvo de críticas por parte de vereadores campinenses.

O vice-presidente da Câmara Municipal de Campina Grande, Márcio Melo Rodrigues (PSDC), chegou a utilizar o site oficial da CMCG para tachar a decisão do Governo do Estado de inconsequente e politiqueira. “Esse auxiliar do Governo Ricardo Coutinho, chamado de João Azevedo, está fazendo politicagem, é um irresponsável, inconsequente, ao anunciar a saída do racionamento de água, sem se preocupar com a real situação do Açude de Boqueirão”, disse.

Mesmo sem ser especialista em recursos hídricos, o vice-presidente da CMCG defende que o fim racionamento só seja efetivado após o açude de Boqueirão atingir mais de 40% de sua capacidade de armazenamento d’água.

“Para se anunciar a saída do volume morto, Boqueirão deveria estar com cerca de quarenta ou cinquenta por cento e não com menos de oito por cento”, observou o vereador Márcio Rodrigues, que é comerciante em Campina Grande.

Normalização do abastecimento

Ontem, em entrevista coletiva, o secretário João Azevêdo anunciou que o abastecimento d’água em Campina Grande e mais 18 localidades voltará ao normal a partir do dia 26 deste mês. O anúncio foi feito logo após reunião com técnicos da Cagepa e da Aesa, na sede da Gerência Regional da Companhia de Abastecimento de Água da Paraíba

“É importante dizer que a nossa meta, a partir da chegada das águas do São Francisco na região de Campina, era fazer com que a cidade saísse do racionamento prolongado. Agora nós podemos anunciar, depois de muito trabalho que realizamos, que Campina e toda a região voltarão a ter o abastecimento normal. Isso trará um impacto direto na rotina das famílias. A partir de agora, a Cagepa já começa a tomar as providencias para que até o dia 26 de agosto esse processo comece a acontecer”, assegurou o secretário de Infraestrutura, João Azevêdo.

Ainda na coletiva, João Azevêdo ressaltou que tudo foi feito dentro do prazo do Governo do Estado desde a chegada das águas do São Francisco ao açude de Boqueirão. “Tudo estava dentro da previsão do Governo do Estado, desde a chegada das águas do São Francisco até o açude de Boqueirão. Nós sabemos que se essa água não chegasse em agosto deste ano, essa região entraria em um caos. Houve um esforço muito grande do Ministério da Integração, do Governo do Estado, do Dnocs e nós conseguimos fazer com que essa água saísse de Monteiro e chegasse em Boqueirão em menos de 45 dias e isso permitiu que nós chegássemos a esta ação de hoje”, adiantou.

De acordo com ele, mais de 700 mil pessoas serão impactadas com o fim do racionamento nos municípios de  Campina Grande, Lagoa Seca, São Sebastião de Lagoa de Roça, Pocinhos, Queimadas, Barra de Santana, Caturité, Boqueirão, Boa Vista, Soledade, Cabaceiras, Juazeirinho, Cubati, Pedra Lavrada, Olivedos, São Vicente do Seridó, além dos distritos de Seridó, Galante e São da Mata.

Comente

Camara Municipal

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here