Odebrecht entregará lista de ‘propina eleitoral’ em que paraibanos são citados

0

O portal UOL trouxe essa semana que o acordo de leniência (espécie de delação premiada para empresas) da Odebrecht obriga o grupo a entregar, até o fim de janeiro, à força-tarefa da Operação Lava Jato, o total de doações oficiais e de pagamentos de propinas e caixa 2 nas eleições dos últimos 16 anos – período que abrange as últimas quatro disputas presidenciais e de governadores, e as últimas cinco eleições municipais. Dentre os citados na recente lista apreendida pela Policia Federal estão quatro paraibanos, são eles: Romero Rodrigues (PSDB), atual prefeito de Campina Grande, Cícero Lucena, ex-senador pelo PSDB, Cássio Cunha Lima, líder do PSDB no Senado, e o ex-ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, do PP, líder do PP na Câmara.

 

É o que estabelece o inciso 14 da cláusula 6.ª, que estipula as obrigações da colaboradora no acordo fechado com o Ministério Público Federal, ao qual a reportagem teve acesso. O documento, com 26 páginas, foi assinado no dia 1º de dezembro e protocolado nesta sexta-feira (20) na Justiça Federal, em Curitiba, em uma ação cível em que a Odebrecht é alvo. O acordo de leniência é assinado por 26 procuradores da República, de Curitiba e de Brasília, e deve ser homologado pelo juiz Sérgio Moro – que ainda não recebeu o documento. O termo já foi homologado pela 5.ª Câmara de Coordenação e Revisão, órgão do Ministério Público competente para analisar o ajuste.

 

A Lava Jato aponta desvio de mais de R$ 40 bilhões na Petrobras, entre 2004 e 2014, por empreiteiras que agiram cartelizadas e em conluio com não só da base dos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2006 e 2007-2010) e Dilma Rousseff (2011-2014 e 2015-2016), mas da oposição, como o PSDB.

 

Paraíba – Segundo a revelação Romero teria recebido R$ 300 mil no ano de 2014. Já Cícero aparece em duas ocasiões. Na primeira aponta que ele teria recebido R$ 150 mil em 2012 e na segunda, R$ 350 em 2014, este último em um ano em que ele não concorreu a nenhum cargo eletivo.

 

As planilhas estavam com Benedicto Barbosa Silva Júnior, presidente da Odebrecht Infraestrutura, e conhecido no mundo empresarial como “BJ”. Foram apreendidas na 23ª fase da operação Lava Jato, batizada de “Acarajé”, realizada no dia 22.fev.2016.

 

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
WhatsApp: (83) 99373-4023
E-mail: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here