Número excessivo de eleitores em Mulungu chama a atenção do Ministério Público

0
Número excessivo de eleitores em Mulungu chama a atenção do Ministério Público
No município de  Mulungu, 9.396 pessoas estão aptas a votar, enquanto população total do município, segundo o IBGE, é de 9.840

O número de eleitores que podem votar na cidade de Mulungu, no Agreste paraibano – que junto com Alagoinha compõe a 46ª Zona Eleitoral da Paraíba – tem chamado a atenção por ser absurdamente próximo ao número de habitantes do município.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população de Alagoinha é de 14.284 habitantes, e o número de eleitores com direito a voto nas eleições deste ano é de 11.534, de acordo com dados do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE). Ainda de acordo com o IBGE, na cidade de Mulungu, residem 9.840 pessoas e, segundo contabiliza o TRE, os eleitores do município totalizam 9.396 cidadãos.

A disparidade nos números entre as cidades é clara e escancara a realidade de que algo está errado no município de Mulungu. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES), o número de nascimentos no município entre os anos de 2000 e 2015 foi de 2.194 pessoas, o que atesta que na cidade a população menor de 16 anos e que não pode votar passa de 2 mil pessoas, número que difere bastante das 444 que restariam de acordo com os dados registrados pelo TRE.

O procurador eleitoral João Bernardo da Silva informou que a Procuradoria Regional Eleitoral do Estado já havia notado a disparidade dos números no município e entrado em contato com o promotor eleitoral da 46ª Zona Eleitoral, Alcides Leite de Amorim.

Segundo João Bernardo da Silva, o fato de que o município de Mulungu tem 95,48% de seus habitantes como eleitores aptos a votar é estranho e precisa ser investigado. “Já tínhamos conversado com o promotor da 46ª Zona Eleitoral que deveríamos fazer uma revisão eleitoral no município. O processo de investigação só não vai ser possível nesse ano por ser um ano eleitoral e por conta da biometria que já foi realizada na cidade”, explicou o procurador.

João Bernardo afirmou que é preciso cautela na hora da investigação, pois o conceito de domicílio eleitoral é elástico, e admite que o cidadão possa transferir seu direito de voto para determinado município com o qual mantenha algum vínculo.

“Seja o vínculo de ordem profissional, social ou familiar, são muitos os fatores que influem nesse quesito. Uma pessoa que tem a vida social em outra cidade pode pedir a transferência do voto para lá. Não estou dizendo que isso iria explicar o presente caso, mas pode acontecer em algumas situações”, esclareceu o procurador eleitoral.

João Bernardo da Silva enfatizou que a situação será analisada pela Procuradoria, que deverá solicitar ao TRE a revisão eleitoral do município de Mulungu. Ele afirmou ainda que a maior preocupação da PRE “é o aumento dos eleitores sem ser por motivos que a lei ampara”.

Já o promotor eleitoral Alcides Leite de Amorim afirmou que o caso está sendo investigado, e que foi instaurado um procedimento preparatório eleitoral para verificar se a situação é recente, ou se vinha acontecendo anteriormente.

Alcides Leite de Amorim informou ainda que o procedimento de investigação será realizado antes das eleições deste ano, mas segundo ele, ainda não é possível saber as providências que serão tomadas pois “o que vai acontecer com relação às eleições está sendo conversado junto à Corregedoria Regional Eleitoral da Paraíba”.

Situação pode sinalizar tipo de fraude

Para o cientista político José Artigas, a mudança de eleitores dos domicílios eleitorais não é comum e deve ser investigada. “A migração de eleitores não é nada normal, uma vez que foi realizado o recadastramento nacional pelo TSE e esse processo já excluiu uma série de eleitores não domiciliados em suas relativas sessões”, afirmou.

José Artigas explicou que desde o recadastramento feito em todo o país aconteceu uma melhoria na obtenção dos números reais de eleitores nos municípios brasileiros, e que os municípios que contavam com mais eleitores que habitantes deixaram de ser uma realidade comum. Para ele, após o recadastramento essa situação não deveria voltar a acontecer e “isto precisa ser apurado porque pode sinalizar para alguma forma de fraude”.

Por outro lado, o cientista político destacou que o fato de os Tribunais Regionais Eleitorais e o Tribunal Superior Eleitoral estarem trabalhando intensamente na modernização do sistema já está surtindo efeito. “Cada dia mais temos que acreditar nesse novo sistema onde eventualmente um desvio ou outro pode acontecer, mas estes serão exceções”, completou. As informações são do Jornal A União.

Por Jadson Falcão

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
WhatsApp: (83) 99373-4023
E-mail: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here