Mesmo aliado, senador paraibano prevê dificuldade para Temer concluir mandato

0

Na opinião do senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), da base aliada do governo, Michel Temer terá dificuldades para terminar seu mandato. Em entrevista à rádio RPN, de João Pessoa, o tucano lançou dúvidas sobre a capacidade de Temer para ficar no cargo até 1º de janeiro de 2019.

Cássio afirmou ainda que sempre foi favorável a eleições diretas para presidente e que a defesa de Temer no processo que pode levar à sua cassação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não combina com a tradição da Justiça Eleitoral. Caso Temer caia e o Congresso tenha que eleger alguém para substituí-lo, Cássio lançou o nome da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), a ministra Cármen Lúcia.

“Eu acho que é importante registrar que eu sempre fui adepto da tese de novas eleições. Eu sempre achei que a nova eleição seria o melhor remédio para distender o país e encontrar legitimidade no que diz respeito à composição de um novo governo. Para que houvesse novas eleições, teria sido necessário que o TSE julgasse as ações que lá tramitam. Infelizmente o TSE não concluiu o julgamento a tempo, o impeachment andou mais rápido e havia também razões objetivas para realização do impeachment, uma vez que presidente Dilma (Rousseff) inegavelmente cometeu os crimes que lhe eram imputados. E veio o impeachmet com o afastamento da presidente da República. Uma nova eleição seria a melhor saída, não tenho a menor dúvida”, disse.

Caso Temer deixe o cargo em 2017 ou 2018, deve ser realizada uma eleição indireta no Congresso Nacional para a escolha de seu substituto. Indagado se o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, seria um bom nome, Cássio disse acreditar que a contribuição que ele poderia dar já foi dada. Depois apontou o nome de Cármen Lúcia como potencial sucessora de Temer.

“É uma mulher cuja honestidade e probidade ninguém discute, que tem experiência, tem capacidade e que poderia cumprir um período de transição. Eu acho que, quando você olha dentro dos nomes da política partidária, da chamada política tradicional, talvez você tenha alguma dificuldade (em pensar em um nome). É preciso pensar um pouco mais largo e o Brasil já deu demonstração de disposição de dar oportunidade para as pessoas que também não estão na militância política mais tradicional”, disse Cássio. As informações são de O Globo.

 

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
WhatsApp: (83) 99373-4023
E-mail: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here