Maria Bethânia apresenta “Abraçar e agradecer” neste sábado no teatro Pedra do Reino

    0

    Não fica nem vai embora. Como um eterno devir, o fluxo permanente de energias que rege o Universo, a carreira de Maria Bethânia, uma lenda viva na nossa música, chega a seu cinquentenário. Para comemorá-lo em plena forma, nada mais natural que uma turnê, que ela utiliza para Abraçar e Agradecer aquele que sempre esteve ao seu lado: o público.

    Mas há também espaço para o autorreconhecimento. “Graças a Deus, estou comemorando 50 anos de trabalho. Consegui chegar aqui com saúde, vigor e amor ao meu ofício, que é o mais importante, e com dedicação. É bonito ter conseguido me manter, eu agradeço a isso, à minha perseverança, à minha dedicação. Acho que Deus determinou que essa minha encarnação seria dedicada a essa missão. Ele não me deixou casar ou ter filhos, nada. Ele me mandou fazer isso e pronto, e eu faço com muito rigor e prazer”, declara Maria Bethânia.

    No show que acontece no Teatro Pedra do Reino, ela traz um espetáculo visual, com telões de LED que cobrem o chão e iluminação elaborada, ao ponto de construir verdadeiros cenários apenas com o jogo de luzes. A concepção é de Bia Lessa e a luz assinada por Binho Schaefer. “Eles que construíram tudo isso e eu só vi o resultado no dia do ensaio geral. Até então, ela não tinha me mostrado nada. Fiquei muito comovida, como se fosse um presente para mim”, revela.

    E por falar em presentes, o visual de Abraçar e Agradecer é apenas um dos muitos que ela está recebendo durante o ano de homenagens. Em julho, ela ganhou uma exposição com a participação de mais de uma centena de artistas plásticos, com obras inspiradas em sua vida e obra, intitulada Maria de Todos Nós, que ficou em cartaz até setembro no Paço Imperial, no Rio de Janeiro.

    “Isso é muito forte, uma cantora popular penetrar, tocar com seu trabalho, artistas plásticos, transcender as barreiras entre as artes”, conta a intérprete. Em 2016, as homenagens continuam, já que Bethânia é homenageada pela Mangueira, com o enredo “Maria Bethânia, a menina dos olhos de Oyá”.

    Voltando ao show de logo mais, o repertório, que conta com o expressivo número de 41 canções, traz obras de Dominguinhos, Caetano Veloso, Chico Buarque, Gonzaguinha, Raul Seixas e Paulo Coelho, Paulo César Pinheiro, Roberto Carlos, entre outros. A Paraíba também está bem representada, com dois autores: Chico César e Flávia Wenceslau.

    A frase que abre este texto é extraída da música “Estado de poesia”, de Chico César, que Bethânia interpreta no DVD Carta de Amor, e que, segundo ela, é uma das canções mais bonitas já feitas no Brasil. “Chico César é meu caboclinho, meu grande amigo, que me ajuda muito na procura por repertório. Foi ele que me apresentou a canção de Flávia e compôs uma música especialmente para esse show dos 50 anos, chamada ‘Xavante’, uma cantiga sobre os índios, que eu acho uma obra-prima”, declara.

    Índios, mares, tempestades, amores e serenidade. Temas recorrentes na carreira de Maria Bethânia, que carrega consigo o DNA brasileiro, o recorte do Brasil profundo – para a cantora, o Brasil “de verdade”, pois, “o resto é uma balela que tentam vender e empurrar goela abaixo”.

    E ela dá o alerta. “Na minha goela não desce, não vem que não tem. Eu gosto do Brasil do jeito que ele é: menino, caipira, com um mar deslumbrante, com o céu raro, o Cruzeiro do Sul. Gosto do Brasil com sua realidade de dificuldades, mas com a seriedade e dignidade do povo brasileiro”, enfatiza.

    Bethânia não desdenha da tecnologia – afinal, seu show atual é repleto de artifícios –, contudo tem suas ressalvas, por acreditar que as pessoas a utilizam como escapismo. “Acho que não se pode esquecer tudo e pensar só em tecnologia, é burrice. Deve ser usado de todas as maneiras, tudo o que for benéfico para a ciência, para as artes, o que puder ser extraído para o bem é maravilhoso. Não gosto de ver adolescente 24 horas mandando recadinho, fotinha, isso eu detesto. É uma perda de tempo gigantesca, eles deviam estar vendo o céu, lendo um livro, se distraindo, tomando um sorvete, namorando um pouquinho. Mas é a realidade, o mundo inteiro não está bonito, está desastroso”, analisa.

    Mas a maturidade lhe deu experiência e condições favoráveis para conseguir enxergar o mundo a seu redor sob ótica positiva. “Felizmente, estou ficando velha e já posso pensar nas coisas que eu gosto, que me dão prazer. Me afastar um pouco, escolher com mais rigor o que me interessa e o que não. Eu quero continuar até quando Deus quiser. E eu! (risos) Ah, e o vento, não posso esquecer do vento, ele me comanda”.

    Por André Luiz Maia, do Jornal Correio da Paraíba

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here