Justiça nega prorrogação de contrato com empresa que faz coleta de lixo em Santa Rita

0

 

Foi proferida na última segunda-feira, 16, decisão que indefere Mandado de Segurança com pedido de liminar impetrado pela Ambiental Soluções Ltda., que pedia prorrogação do contrato de coleta de lixo com a Prefeitura de Santa Rita, processo administrativo nº 160/2013, que resultou no Termo de Contrato Administrativo nº 590/2013.

Na ação, a Ambiental alega protocolizou documento à edilidade santarritense indagando a municipalidade acerca da prorrogação do contrato 590/2013, haja vista o mesmo, em sua essência ter vigência de 12 meses, mas que em sua cláusula segunda, poderia ser prorrogado por iguais períodos até total de 60, e que a empresa teria a intenção de tal prorrogação.

Não havendo qualquer comunicado por parte da Prefeitura de Santa Rita de que prorrogaria o contrato com a prestadora, ainda nos primeiros 12 meses de vigência, a Ambiental Soluções entendeu o silêncio da gestão municipal com um acatamento para tal manobra, de modo que a Ambiental seguiu com os serviços de coleta, sem qualquer respaldo jurídico para tal.

No mandado que move contra a PMSR, a empresa alega possuir mais de 100 funcionários em seus quadros, sem receber seus vencimentos e na iminência de serem demitidos por conta disso, no qual pede à Justiça bloqueio do FPM e do ICMS até a quitação da dívida cobrada e que determine “que o município de Santa Rita formalize a prorrogação tácita do contrato administrativo (590/2013) já existente com base no artigo 57 da Lei das Licitações”.

Na sentença, o Juiz Gustavo Procópio, da 5ª Vara Mista de Santa Rita, prolata no processo nº 0000243-05.2015.815.0331, a derrubada do argumento da “prorrogação tácita” pelo simples silêncio da edilidade, conforme relata:

“Ao observar o art. 57 da Lei 8.666/93, incisivo dizer que ‘toda prorrogação de prazo deverá ser justificada por escrito e previamente autorizada pela autoridade competente para celebrar o contrato’. Tal dispositivo impede a realização de prorrogação tácita de contratos administrativos como quer o impetrante que não tem qualquer direito, seja ele líquido e certo, ou suscetível de dilação probatória, a prorrogação automática do contrato firmado com a edilidade”, diz o juiz em parte da sentença.

“O pretenso direito alegado pelo impetrante, quanto ao reconhecimento da prorrogação do contrato administrativo, não merece guarida, tendo em vista carência de liquidez e certeza”, sentencia.

Quanto ao segundo pleito do mandado, bloqueio de FPM e ICMS, solicitado pela Ambiental, Gustavo Procópio usa como embasamento a Súmula 269 do STF, que trata da “Impossibilidade de produzir efeitos patrimoniais retroativos em mandado de segurança”, para negar o pedido.

“DENEGO a segurança pleiteada por não ser o caso de prorrogação tácita do contrato firmado entre o impetrante tendo em vista que, nos termos o art. 57, 2º da Lei nº 8.666/93, é incisivo dizer que ‘toda prorrogação de prazo deverá ser justificada por escrito e previamente autorizada pela autoridade competente para celebrar o contrato’, o que não ocorreu no caso concreto. Igualmente DENEGO a segurança em relação ao pedido de bloqueio de verbas públicas por entender que no caso em epígrafe incide por força do disposto na súmula 269 do STF”.

A decisão do Juiz Gustavo Procópio foi publicada no Diário da Justiça da última terça-feira, 17, e já está em vigor.

Com a sentença se encerra uma novela que se arrasta em Santa Rita por meses e que tem causado o caos nas ruas da cidade com a falta da coleta de resíduos, atentando contra a saúde pública.

Com o ganho na Justiça e a saída de cena da Ambiental, a gestão municipal assumirá a limpeza da cidade, contratará as próprias equipes com homens, caçambas, retroescavadeiras, compactadores e implementará um calendário diário de coleta nos bairros, reduzindo gastos, demonstrando transparência e respeito ao erário público.

“Em razão da decisão publicada na última terça-feira, a empresa Ambiental Soluções não mais possui qualquer tipo de vínculo com o município, razão pela qual não tem mais qualquer tipo de garantia de legitimidade de prestar os serviços e esse é um dos motivos pelos quais a cidade vem sofrendo em relação à coleta. Também sofremos alguns contratempos com relação à conclusão do procedimento de licitação, haja vista algumas discordâncias do Ministério Público, mas a situação vem sendo avaliada e naturalmente a administração vai tomar as medidas que reputar cabíveis, até pela urgência da situação que representa a questão do lixo urbano. O juiz Gustavo Procópio acabou por denegar a segurança entendo não haver qualquer direito da Ambiental nesse sentido e cabe agora ao município buscar uma nova empresa por meio do procedimento licitatório, mas nunca deixando de avaliar o momento de emergência para que a solução seja dada de imediata para que a população não continue sofrendo com a falta de coleta das últimas semanas”, avaliou o Procurador Geral do município, Marcello Trindade.

Justiça nega prorrogação de contrato com empresa que faz coleta de lixo em Santa Rita Justiça nega prorrogação de contrato com empresa que faz coleta de lixo em Santa Rita

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
WhatsApp: (83) 99373-4023
E-mail: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here