“Julho é um bom mês para se morrer” será lançado neste sábado em João Pessoa

    0

    "Julho é um bom mês para se morrer" será lançado neste sábado em João PessoaAs ditas situações-limite nos forçam a tomar posições menos calculadas e expor nossos pensamentos de maneira mais clara. Com claro interesse nisso, o escritor Roberto Menezes elaborou seu quarto romance, Julho É Um Bom Mês Pra Morrer (Patuá, 215 páginas, R$ 38), que conta a história de uma blogueira de trinta e cinco anos e sua relação familiar conturbada. O lançamento acontece amanhã no Café Empório, a partir das 17h, e conta com a apresentação dos escritores João Matias, Maria Valéria Rezende e Joana Belarmino.

    Na ocasião, o autor aproveita para incentivar o projeto Leitura Livre, da Porta do Sol – Projetos Culturais, uma organização sem fins lucrativos que busca criar condições de acesso ao livro e à leitura. Quem quiser contribuir com a ação, basta levar um livro para ser doado, que será repassado para o público de baixa renda de bairros periféricos de João Pessoa. Além do ponto de doação criado especialmente no dia do lançamento, há postos no Doçura Café, próximo à Praça da Paz, nos Bancários, e no Espaço Mundo, na Praça Antenor Navarro.

    Em termos de narrativa, Julho É Um Bom Mês Pra Morrer dispensa linearidade, pincelando os espaços de tempo ao sabor das memórias de Laura, jornalista formada desempregada que se vê sem saída ao ser obrigada a sair de seu apartamento após uma sentença judicial sem direito a recursos, pois o prédio em que mora seria demolido.

    Assim como a personagem Nara, da novela Fogo Sobre Terra, de Janete Clair, insiste em ficar na cidade de Divineia, que está prestes a ser submersa pelas águas de uma barragem, Laura decide permanecer enclausurada em sua casa, aceitando as consequências dessa decisão e aguardando sua sentença auto-imposta. Estabelecida a situação-limite, ela decide escrever uma carta à mãe – que soa mais como um desabafo –, figura enigmática que não vê desde a infância.

    “Eu quis escrever um livro de memória escrito às pressas. Como se ela tivesse no corredor da morte e esta situação-limite a forçasse a rever momentos chaves de sua vida”, explica Roberto Menezes. Somos então transportados para a virada do milênio, conhecemos a relação conturbada com a irmã Lara e com a mãe Lucy. “Na verdade, trato a maneira de ela narrar como um confessionário ou uma sessão de terapia extrema; os pedaços de um quebra-cabeça que ela vai resgatando da memória teimam em não se encaixar, como se isso fosse possível”, completa.

     

    Por André Luiz Maia

     

     

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here