Governo investe na modernização e qualificação profissional do Arlinda Marques

0

O Governo da Paraíba, por meio da Secretaria de Estado da Saúde, adquiriu quatro ventiladores pulmonares, quatro monitores multiparâmetros e um carro de anestesia para o Complexo de Pediatria Arlinda Marques, referência em atendimentos pediátricos de média e alta complexidades, na Capital. As ações fazem parte da política de modernização da unidade de saúde e qualificação dos profissionais.

Ainda foram abertos um leito de UTI cardiológica, um leito de UTI neurológica, e feita a readequação de mais cinco leitos dessa enfermaria, que funcionam em um  novo ambiente. Ainda com relação às melhorias, foram realizados serviços de restauração e limpeza do piso.

Entre as ações de capacitação, o destaque é a Semana de Enfermagem, que realizou os seguintes minicursos: Processo de Doação – Órgãos, Tecidos e Transplante; Prevenção e Tratamento de Lesão voltado ao Programa de Segurança do Paciente; Ventilação Mecânica; e Gestão de Risco.

Referência – O Serviço de Neurocirurgia Pediátrica do Arlinda tem o objetivo de atender à demanda paraibana de crianças com patologias neurocirúrgicas. É o único serviço de referência do Estado da Paraíba para procedimentos neurocirúrgicos pediátricos.

O serviço é composto por uma equipe formada por neurocirurgiões, cirurgiões pediátricos, enfermeiros, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, intensivistas neurologistas, neuropsicólogos, pediatras, oncologistas e assistente social. Com isso, o Complexo Arlinda Marques tem condições de oferecer à população pediátrica o atendimento adequado.

Humanização – Para agilizar o atendimento, a unidade hospitalar implantou o Sistema de Classificação de Risco pelo Protocolo de Manchester.  Trata-se de um processo dinâmico, que tem o objetivo de garantir o atendimento prioritário aos pacientes que correm risco de morte, assim como os potenciais riscos conforme as cores indicativas da classificação. O método é validado pelo Ministério da Saúde e segue as recomendações sobre a Política de Humanização do Sistema Único de Saúde.

De acordo com o Ministério da Saúde, a triagem classificatória deverá ser realizada por meio de protocolos pré-estabelecidos por profissionais de saúde de nível superior, com treinamento específico, sendo proibida a dispensa de pacientes antes que estes recebam atendimento médico.

“O Protocolo é um instrumento de apoio que visa à identificação rápida e científica do doente de acordo com critérios clínicos para determinar em que ordem o paciente será atendido. Trata-se de um modelo em que diferentes enfermeiros obtêm os mesmos resultados na análise do paciente, aumentando a agilidade e a segurança nos serviços de urgência”, explicou o diretor-geral do hospital, Cláudio Teixeira Regis.

Após a triagem, os pacientes são encaminhados aos consultórios médicos. Uma vez realizado o atendimento, o paciente deverá ter sua referência garantida, por meio do encaminhamento realizado às centrais de regulação ou aos fluxos previamente pactuados.

 

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
WhatsApp: (83) 99373-4023
E-mail: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here