Fotógrafo assume que assassinou Bríggida, se diz arrependido e diz que a amava

    0

    O fotógrafo Gilberto Stuckert, acusado de matar sua ex-companheira, a professora universitária Bríggida Rosely de Azevedo Lourenço em 2012, assumiu ter cometido o crime e disse estar arrependido de ter cometido o homicídio. A afirmação foi feita durante depoimento no julgamento pelo 1º Tribunal do Juri de João Pessoa na manhã desta segunda-feira (28).

    Chorando, o réu pediu perdão aos familiares de Bríggida presentes no julgamento. “Eu não tirei a vida de Briggida friamente. A amava. Não foi minha intenção. Nunca passou isso na minha cabeça”, disse Gilberto Stuckert. O fotógrafo afirmou que no dia do crime foi procurar a ex-companheira e viu o álbum de fotografias dela com outro homem e perdeu a cabeça.

    O réu contou que teve início uma discussão e os dois trocaram xingamentos. Segundo ele, Bríggida deu uma pancada nele e depois disso ele acabou revidando. “Eu fiquei de uma forma, que não sei explicar o que eu senti naquele momento. Aí eu me mandei”, afirmou falando sobre o momento da morte.

    Perguntado pelo juiz se estava arrependido e se faria diferente, Gilberto acenou positivamente com a cabeça. “[ A morte] não foi uma coisa que eu quis”, disse. O fotógrafo não disse onde esteve escondido durante o tempo que ficou foragido após o crime. O assassinato aconteceu em junho de 2012 e ele só foi preso em março de 2013.  O réu foi indiciado pelo Ministério Público Estadual por homicídio triplamente qualificado.

    O julgamento do fotógrafo começou por volta das 9h desta segunda-feira (28). O crime aconteceu no apartamento da vítima, no bairro Jardim Cidade Universitária, na Zona Sul de João Pessoa. O acusado, que já estava preso à espera do julgamento no Centro de Ensino da Polícia Militar, foi denunciado pelo Ministério Público Estadual por crime de homicídio qualificado.

    O julgamento
    O juiz Marcos William de Oliveira, que preside o julgamento no 1º Tribunal do Juri de João Pessoa, sorteou o corpo de jurado, composto por cinco homens e quatro mulheres, e deu início aos depoimentos das testemunhas. Por volta das 12h, a sessão foi interrompida para o almoço. No período da tarde vão ter início os debates entre defesa e acusação e a previsão do juiz Marcos William é de que o julgamento acabe no final do dia.

    A primeira testemunha de acusação a ser ouvida foi vizinha da vítima. Ana Andrea Amorim falou por cerca de uma hora. A vizinha disse que no dia do crime ouviu barulho de móveis arrastando no apartamento de Bríggida, ligou para ela, mas as ligações não foram atendidas.

    Segunda Ana, o casal vivia de forma harmoniosa e o relacionamento começou a ter problemas quando ele foi morar em Brasília, por ter sido aprovado em um concurso. Quando Bríggida pôs fim ao relacionamento, Gilberto pediu exoneração para salvar a relação, imaginando que voltando à Paraíba o casamento poderia retornar, mas ela não aceitou.

    A vizinha deixou claro que não podia afirmar que o fotógrafo matou a ex-companheira, porque não viu, mas disse que sabia que ele iria no apartamento porque Bríggida havia dito. A segunda testemunha a falar foi Roselma Maria Ribeiro de Azevedo Cruz, mãe de Bríggida. Em seu depoimento ela relembrou que recebeu um telefone de Gilberto, após o crime, quando ele afirmou que tinha feito uma besteira e iria se suicidar. Roselma destacou que no momento achou que sua filha estava apenas ferida e chegou a perguntar se tinha como socorrê-la

    A terceira testemunha a depor foi Rilene Lucena, tia de Bríggida. Ela afirmou que Gilberto era calmo, de poucas palavras, e a família jamais esperaria algo parecido. Segundo Rilene, quando o fotógrafo ligou para a mãe da vítima, todos pensavam que ele tivesse batido nela, mas não matado. A quarta ouvida foi uma prima da professora assassinada, Marta Melo. A única testemunha de defesa do réu escalada para depor, pai de Gilberto Stuckert, não compareceu ao juri após apresentar atestado médico.

    Tese do Ministério Público
    Segundo o MP, o fotógrafo foi até o apartamento da vítima que era ex-companheira dele e assassinou por estrangulamento a professora Bríggida Rosely, que na época estava com 28 anos.  De acordo com os autos, Gilberto Stuckert asfixiou Bríggida por ação mecânica sem lhe dar qualquer chance de defesa. A motivação do crime foi a insatisfação do réu com a vítima, que teria terminado um relacionamento de oito anos com ele.

    Gilberto Lyra Stuckert Neto se apresentou à Justiça na tarde do dia 5 de março de 2013. Segundo a juíza Ana Flávia de Carvalho Dias, ele chegou espontaneamente ao 1º Tribunal do Júri, onde corre o processo, acompanhado do pai e de um amigo. Como havia um mandado de prisão em aberto contra o fotógrafo, ele foi em seguida conduzido para o Centro de Ensino da Polícia Millitar, onde permanece preso.

    Relembre o caso
    No dia 19 de junho de 2012, a professora Briggida Rosely, de 28 anos, foi encontrada morta dentro do próprio apartamento em João Pessoa. Ela foi achada  por vizinhos com sinais de estrangulamento. O inquérito foi concluído no início de julho e a polícia aponta o ex-companheiro da vítima, como único suspeito do crime.

    Quando o crime aconteceu, o acusado ligou para a mãe da vítima. “Ele estava chorando e disse que tinha feito uma besteira. Ele disse que ia se matar”, contou  Roselma Azevedo, mãe de Bríggida. As informações são do G1.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here