Federações de indústrias culpam Governo por rebaixamento na classificação de risco

    0

    Em nota conjunta sobre a perda do grau de investimento do Brasil na classificação de risco da agência Standard & Poor’s, os presidentes da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), respectivamente Paulo Skaf e Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira, disseram estar perplexos “com a inação do governo diante da deterioração crescente do quadro econômico do país”.

    Para eles, a perda do grau de investimento “é o desfecho de uma série de hesitações, equívocos e incapacidade de lidar com os desafios de uma conjuntura econômica cujo esfacelamento é resultado de incontáveis erros cometidos ao longo dos últimos anos”.

    Na nota, os presidentes das duas federações pedem que o governo implemente um “rigoroso ajuste fiscal no país”, baseado em cortes de despesas, e repudiam “com ênfase” novos aumentos de impostos: “Esta é a receita fácil de sempre, mas a sociedade não aguenta mais pagar a conta da incompetência do Estado”.

    “Só reformas estruturais de longo prazo recolocarão o Brasil no rumo do crescimento econômico e geração de emprego. O setor produtivo precisa de menos tributos para voltar a dar conta de girar a roda da economia”, afirmam os presidentes na nota conjunta, ressaltando que, até o final do ano o país corre o risco de ter 1,5 milhão de postos de trabalho perdidos caso nada seja feito. “O Brasil não pode mais esperar”, dizem eles no final do texto.

    Para o presidente em exercício da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) Roberto Mateus Ordine, a retirada do grau de investimento do país pela agência Standard and Poor’s vai exigir que o governo corte gastos.

    “Não faltaram avisos, das agências de risco e do mercado, de que haveria esse rebaixamento. Agora, resta ao governo brasileiro cortar gastos, se conscientizar de que parte do esforço precisa vir dele próprio, e rapidamente, antes que as outras agências também rebaixem o Brasil, o que geraria disparada do dólar e levaria a inflação aos dois dígitos – e isso justamente agora, que a inflação começa a se estabilizar”, disse Ordine, por meio de nota.

    Segundo ele, o governo precisa fazer os cortes de gastos, e de forma rápida, para não agravar a recessão e o desemprego no país. “O setor privado não pode arcar com novos aumentos tributários sob pena de agravar mais a recessão e o desemprego. O governo precisa fazer a parte dele no ajuste, conforme prometido; precisa cortar e postergar gastos para obter superávit. Rejeitamos qualquer proposta de aumento porque isso já foi feito”.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here