“Estou pronto para assumir”, diz deputado paraibano indicado para o Ministério da Saúde

    0

    Enquanto transcorria a sessão que levou à manutenção de 26 vetos da presidenta Dilma Rousseff (PT), em sessão deliberativa da Câmara que adentrou a madrugada desta quarta-feira (23), um deputado do PMDB dividia as atenções no cenário político em Brasília.

    Em seu terceiro mandato consecutivo, Manoel Júnior (PMDB-PB) saiu do relativo anonimato em nível nacional e, de um dia para o outro, é o mais cotado para assumir o Ministério da Saúde, em substituição a Arthur Chioro.

    Na noite desta quarta, o deputado paraibano concedeu entrevista ao Congresso em Foco, e disse estar pronto para o desafio. “Pronto porque ofereci o meu nome. Mas aguardo respeitosa e democraticamente a decisão”, declarou o peemedebista, no espaço entre o plenário e a Presidência do Senado, depois de ser cumprimentado por dois senadores, um deles do PMDB, e chamado de “ministro”.

    Membro titular da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, Manoel Júnior é um dos quatro nomes levados a Dilma pelo líder do PMDB, deputado Leonardo Picciani (RJ), para a iminente reforma ministerial estudada pelo governo.

    Instado a comentar a natureza do apoio de seu partido para a sessão dos vetos, Manoel Júnior adotou discurso de aliado em um partido rachado – com integrantes favoráveis inclusive ao impeachment de Dilma, como Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) e Darcísio Perondi (PMDB-RS).

    “O PMDB tem tido posições importantes na hora em que o país precisa. E foi dessa forma que agiu a bancada, de forma extremamente madura, decidida e discutida”, declarou o deputado paraibano.

    Confira abaixo a entrevista concedida por Manoel Júnior ao Congresso em Foco:

    A ENTREVISTA

    – O senhor está pronto para o ministério?
    – (risos) Estou pronto. Pronto porque ofereci o meu nome. Mas aguardo respeitosa e democraticamente a decisão (de Dilma).

    – Na votação dos vetos presidenciais, o PMDB deu uma demonstração de que, quando quer, viabiliza o governo. O partido está, também, viabilizando-se para 2018?
    – O PMDB tem tido posições importantes na hora em que o país precisa. E foi dessa forma que agiu a bancada, ontem, de forma extremamente madura, decidida e discutida. Optou por participar do governo, por tentar fazer não só o ajuste dos ministérios, participar dessa reformulação ministerial, mas também apoiar as decisões econômicas do governo. E até encarar votações altamente impopulares para, justamente, não deixar a economia e o governo em situação de risco. É, basicamente, esse o compromisso que o PMDB tem. Os nomes que foram apresentados, todos eles, estão nessa direção.

    – Há quem diga que o PMDB, com o protagonismo atual, está se valendo de medidas antirrepublicanas e estimulando o enfraquecimento da presidenta Dilma para substituí-la em 2018. Isso procede?
    – É, sim, republicano quando opta por perder espaço no governo para, justamente, fazer esse ajuste em relação à quantidade de ministérios. É republicano quando nós enfrentamos, aqui (no Congresso), milhares de servidores públicos e votamos a manutenção de um veto extremamente indigesto do ponto de vista populista.

    – Mas o partido não está priorizando justamente uma maneira de chegar ao poder?
    – Não cabe na cabeça do PMDB esse tipo de pecha, não.

    – A postura do partido na Câmara tem mudado ao sabor das circunstâncias. Esse apoio será mantido nas próximas polêmicas, como o veto ao reajuste dos servidores do Judiciário?
    – Vamos analisar todos os vetos. Na última votação, indicamos a derrubada de um veto que não significava nada para o governo, e assim acompanhamos a maioria aqui no Congresso.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here