Em tom de desabafo, filho de Ricardo diz que ex-primeira dama ‘age como louca’

    1

    E no dia dos pais, nada de mensagem declarando amor, mas sim solidariedade. Foi esta a mensagem do filho do governador Ricardo Coutinho, Rico Coutinho, em seu perfil pessoal no Facebook. Em longa postagem, ele explanou sua indignação com a postura adotada pela ex-primeira dama Pâmela Bório, que usa seu perfil no Instagram para insinuar sobre a decisão judicial da divisão da guarda compartilhada do filho, Henri Lourenzo.

    Para Rico, Pâmela age como louca e aponta um laudo médico, que teria favorecido a decisão judicial da guarda compartilhada, que beneficiou o pai da criança, Ricardo Coutinho.

    Leia texto na íntegra:

    “Amigos, peço licença para quebrar o protocolo desse dia. Abrirei mão de escrever a tradicional homenagem para falar sobre um assunto que vem sendo incansavelmente explorado pela mídia, conduzida pelos rompantes de ódio da ex-primeira dama, Pâmela Bório. Como a situação já atingiu contornos de loucura, resolvi me manifestar.
    Analisem de forma serena as posturas das partes envolvidas. Se meu pai, por um lado, NUNCA se manifestou sobre o divórcio e a situação de Henri, pois prefere evitar que uma criança de menos de 5 anos seja maldosamente exposta; por outro, é sabido que Pâmela há tempos deflagra sua jornada em busca da destruição da carreira e da reputação de seu ex-marido.
    Minha mãe sempre me ensinou que o sucesso dela e do meu pai também significavam o meu. Cresci, continuo acreditando nessa linha e assisto incrédulo a (vã) tentativa de Pâmela em macular a carreira e a imagem do pai de seu filho.

    São rasteiras as denúncias produzidas por ela e seus conselheiros. Como acusar meu pai de usar influência política para direcionar o caso a seu favor se o divórcio foi assinado de forma CONSENSUAL? Se os termos originais da guarda compartilhada, assinados também de forma CONSENSUAL, previam a perfeita igualdade de condições entre os pais, com 2 dias para cada? Pâmela acusou de forma grotesca a juiza do caso de corrupção, atingindo a honra dela e a de todo o Judiciário, mas esqueceu de dizer que os termos da guarda compartilhada MUDARAM devido a um LAUDO PSICOLÓGICO que atesta de forma clara como faz mal à criança estar presente no desestruturado lar da mãe, além de um parecer fulminante do MINISTÉRIO PÚBLICO. A saga se tornou tão penosa que deixou de ser um impasse familiar para virar caso médico.

    Meu pai é um homem que preza a família e ama seus filhos. É dedicado, bondoso e justo. Henri, um menino esperto, carinhoso e divertido, que não merece estar no olho desse furacão. Se Pâmela discorda do jeito de RC governar ou tem frustrações pessoais por ele, que busque resolver da melhor forma. Usar publicamente o filho menor como mártir para alimentar o seu frenesi é covardia. O menino sequer pôde escolher se topava ou não estrelar esse filme.”

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here