Delação contra Dilma na Lava Jato é motivo para impeachment, diz oposição

    0

    Líderes da oposição no Congresso Nacional defenderam, na noite desta sexta-feira (26), a apresentação de um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) com base no depoimento do empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC. Em sua delação premiada, ele disse que doou R$ 7,5 milhões desviados da Petrobras para a campanha de Dilma no ano passado. Outros 17 políticos, dois deles da oposição, também foram apontados pelo delator. O líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), adiantou que pretende propor à Câmara, na segunda-feira, a abertura de processo contra Dilma.

    “Crime eleitoral desse porte tem que ter como resposta imediata o afastamento da função. Dilma não tem condições de comandar o país. Isso é motivo mais do que suficiente para Dilma perder o mandato e convocarmos novas eleições. Que a Câmara abra o processo de impeachment”, defendeu o senador do DEM.

    “Temos uma presidente da República completamente ilegítima. Junta a denúncia com a ingovernabilidade do país e temos um quadro desastroso. Talvez o melhor caminho seja mesmo discutir o impeachment”, disse ao Globo o presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP).

    O líder interino do PSDB na Câmara, Nilson Leitão (MT), disse que o depoimento de Pessoa complica “ainda mais” a situação da presidente. “Hoje, mais dois ministros foram citados na delação do empresário da UTC: Mercadante e Edinho Silva, além de dois tesoureiros petistas. E à medida que as investigações avançam, tomam corpo as suspeitas de que as campanhas que elegeram e reelegeram a presidente Dilma foram irrigadas com recursos ilícitos”, afirmou.

    Segundo reportagem da revista Veja, em sua delação premiada, Ricardo Pessoa disse que dinheiro desviado da Petrobras também abasteceu a campanha presidencial de Lula em 2006. Ao todo, foram citados por ele políticos de seis partidos (PT, PMDB, PTB, PP, PSB e PSDB).

    A presidente Dilma convocou uma reunião de emergência com seu núcleo político para avaliar o cenário e discutir estratégia de defesa. Citados pelo delator, os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Edinho Silva (Secretaria de Comunicação Social), que foi tesoureiro da campanha presidencial de Dilma no ano passado, participam do encontro.

    As informações são do Congresso em Foco.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here