Copa América: Sánchez liberta Chile da opressão, garante 1º título e mantém Argentina no jejum

    0

    Os chilenos choraram de novo, sim, mas dessa vez de alegria pela libertação. Diante de 45.693 espectadores no Estádio Nacional de Santiago, palco de opressão durante a ditadura militar dos anos 70 e 80, ganharam da Argentina, na disputa de penalidades máximas por 4 a 1, após 0 a 0 em 120 minutos na noite deste sábado.

    Uma cavadinha de Alexis Sánchez, depois de erro de Higuaín e defesa de Bravo no chute de Banega, deu início à comemoração. La Roja se livra do estigma de seleção sem títulos e garante a festa completa na Copa América organizada em casa. Messi? Muito bem marcado, pouco fez e precisará esperar mais um pouco para levantar um troféu como campeão pela seleção principal. É sua terceira derrota seguida numa final com a Albiceleste depois da decepção na prorrogação contra a Alemanha no Mundial de 2014 e no torneio sul-americano de 2007.

    Onde estava Messi? Essa era a pergunta que os argentinos se faziam no Estádio Nacional. O principal jogador da seleção teve sua pior exibição na Copa América justamente na final. Apagado e várias vezes desarmado durante quase todos os 120 minutos, terminou a partida com apenas uma finalização, sete passes errados e quatro faltas recebidas.

    Só foi mais notado em campo duas vezes: ao levar um chute de Medel na barriga ainda no primeiro tempo e ao fazer grande jogada no último minuto do tempo regulamentar. A arrancada resultou em passe para Lavezzi, mas Higuaín desperdiçou a melhor chance da Argentina. Na disputa por pênaltis, converteu com categoria. Mas não foi suficiente: chegou ao tri-vice-campeonato defendendo os hermanos.

    Do G1

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here