Cinco dicas de especialistas para descobrir se seu smartphone está com vírus

    0

    Enquanto ter um antivírus para proteger o computador é visto como algo comum, poucas são as pessoas que têm esses programas em seu smartphone. Segundo uma pesquisa realizada pela Kaspersky Lab e pela B2B Internacional, 3 em cada 10 aparelhos com sistema operacional Android não têm nenhuma proteção contra malwares.

    “As pessoas não consideram os celulares como computadores, mas eles são, pois atualmente eles têm a mesma função. Até as contas podem ser pagas pelo aplicativo do banco, por exemplo, e a senha fica registrada no aparelho. É preciso ter essa noção para evitar dor de cabeça”, afirma Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab.

    Ainda que os aparelhos Android estejam mais suscetíveis aos vírus, isso não quer dizer que os celulares com iOs ou Windows Phone não possam ser contaminados. O vírus acaba entrando pelo celular quando o usuário baixa um aplicativo “contaminado” ou visita algum site hackeado que encontra uma vulnerabilidade no sistema operacional do aparelho e instala a praga.

    “O Android acaba sendo mais visado, pois, além de ser mais popular, o Google Play não é tão criterioso quanto a Apple Store para permissão de alguns aplicativos”, explica Rovercy de Oliveira, especialista em segurança da informação da consultora Real Protect.

    Cinco indícios de que seu smartphone pode estar infectado
    • 1. Débitos indevidos
      Esse é o jeito mais comum e o que mais dói no bolso. “O trojan, malware mais comum, se instala no smartphone sorrateiramente e cadastra o número em serviços de mensagens para depois roubar o saldo da linha”, afirma Assolini. Muitos demoram para perceber a cobrança indevida. Como o vírus é silencioso, mesmo que o usuário abra o aplicativo de mensagens enviadas, não irá encontrar a assinatura
    • 2. Lentidão
      Quando o smartphone começa a ficar lento para abrir aplicativos, ligar ou tirar fotos, o usuário pode desconfiar que o aparelho foi infectado. “Normalmente esse comprometimento acontece de forma rápida, tipo de um dia para o outro, e ocorre porque alguns vírus consomem muita memória do celular”, conta o analista sênior de segurança da Kaspersky Lab
    • 3. Telefone quente
      Sabe quando você está assistindo a um vídeo e sente que ele fica quente? Então, os vídeos exigem bastante do processador gráfico, que esquenta o aparelho. Mas pouco tempo depois já volta a esfriar. Alguns vírus que exigem um processamento alto também podem esquentar o aparelho. “A diferença é que quando é por conta do vírus, o celular fica quente mesmo quando não é usado”, explica AssoliniFoto: Reprodução/Blog do iPhone
    • 4. Problemas no navegador
      Este vírus é semelhante ao de computador. Quando o usuário abre o navegador e tenta fazer uma busca, ele redireciona para um outro site. “A praga muda a navegação do celular, configura páginas iniciais que não foram solicitadas. É assim que os cibercriminosos ganham dinheiro, aumentando o tráfego e audiência de determinadas páginas”, explica Assolini. E não é possível mudar a página inicial
    • 5. Pop-ups indesejados
      Alguns tipos de vírus fazem com que pop-ups de conteúdo adulto apareçam enquanto o usuário navega pela internet com o celular. Nem adianta clicar no ‘X’, pois o conteúdo aparece mais tarde. “Geralmente esse indício causa muito constrangimento, já que às vezes ele pode aparecer enquanto você está usando o telefone com alguém ao lado. É bem desconfortável”, afirma Assolini

    Mas como ter certeza de que meu celular está com vírus?

    Indícios como lentidão do aparelho podem não ser resultado de vírus, portanto, o mais indicado é baixar um aplicativo de antivírus. Esse programa fará uma detecção e limpeza do smartphone, além de proteger o dispositivo no futuro. Alguns dos mais comuns são: Avast Free Mobile Security (http://zip.net/bdrGy0), PSafe (http://zip.net/bfpllp) e AVG Mobile Security (http://zip.net/bkrF5q).

    “Geralmente esses programas fazem todo esse processo e conseguem eliminar o malware, no entanto, caso o resultado não seja positivo, o usuário poderá mandar o aparelho para um técnico que formatará o aparelho. Portanto, a recomendação é sempre fazer um backup dos arquivos armazenados no smartphone”, explica o especialista em segurança da informação da consultora Real Protect.

    E como se proteger no futuro?

    Além de instalar um aplicativo de antivírus, existem outros cuidados que devem ser tomados para evitar malwares. Um deles é não fazer o jailbreak no celular. “Às vezes o usuário quer instalar um jogo pirata e precisa fazer esse procedimento. O problema é que, para isso, muitas proteções são removidas do aparelho, o que facilita a entrada de vírus”, explica Assolini.

    Outra dica do analista sênior de segurança da Kaspersky Lab é evitar instalar aplicativos de lojas de terceiros. “Os telefones com sistema operacional Android têm liberdade para baixar aplicativos que não sejam da loja Google Play, no entanto, esses aplicativos podem estar infectados e abrir a porta para o vírus se instalar no aparelho”, fala Assolini. A recomendação, portanto, é sempre baixar os programas na loja oficial do sistema.

    Outro conselho é verificar as permissões que os aplicativos solicitam na hora de baixá-los. “Veja que informações do seu aparelho ele quer ter acesso. Se você está baixando uma calculadora, não faz sentido o aplicativo solicitar acesso a sua lista de contatos, por exemplo”, ensina Assolini.

     

    Do Uol

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here