Brasil alcança metas no Pan, mas ainda tem dificuldade para investir no esporte

    0

    O Brasil alcançou as metas estipuladas pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) para a disputa dos Jogos Pan-americanos de Toronto, no Canadá, ao obter o terceiro lugar no quadro geral de medalhas, atrás apenas dos Estados Unidos e do Canadá, mas o país ainda apresenta grande dificuldade para ampliar os investimentos públicos na infraestrutura do esporte, na avaliação do coordenador da Secretaria de Extensão da Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília (UnB), professor Alexandre Luiz Gonçalves Rezende.

    Para Rezende, o sucesso do desenvolvimento de uma política nacional de esporte não pode ser medido pelo número de medalhas em megaevento, como o pan-americano ou as olimpíadas, mas sim pelo acompanhamento e implementação de uma infraestrutura que eleve o número de praticantes de esportes no país.

    “Carecemos de um investimento na infraestrutura de base e eles não conseguem se traduzir em resultados em um ou dois ciclos olímpicos”, diz Rezende. Segundo ele, o investimento na construção de quadras esportivas, locais para prática de atividade física de modo geral e preparação de profissionais qualificados poderia não trazer resultados esportivos para o país no curto prazo, mas sim para duas ou três olimpíadas depois dos jogos de 2016, no Rio de Janeiro, e depois de forma permanente.

    “A garantia de acesso ao esporte, qualificação de recursos humanos e desenvolvimento científico e tecnológico. É isso que estamos querendo aproveitar com essa janela de oportunidade do megaevento [no ano que vem] para que o desenvolvimento do desporto aconteça de forma organizada”, argumenta o professor da UnB.

    Nos jogos Pan-americanos de Toronto, encerrados ontem (26), o Brasil ficou na terceira colocação no quadro geral [http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2015-07/brasil-encerra-par…, com 141 medalhas (41 de ouro, 40 de prata e 60 de bronze), atrás dos Estados Unidos (265) e dos anfitriões canadenses (217). Apesar de ter igualado o total de pódios conquistados em Guadalajara, em 2011, o país teve menos medalhas de ouro em Toronto.

    Para o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, o resultado do Brasil em Toronto demonstrou evolução do país na preparação para os jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. “Além de conquistarmos as metas traçadas, graças à parceria entre o COB, Confederações, Ministério do Esporte, Ministério da Defesa, Ministério da Ciência e Tecnologia e patrocinadores conseguimos aumentar o número de modalidades com condições de lutar por medalhas nos Jogos Rio 2016 e no futuro”, disse Nuzman.

    Mas para o Brasil se tornar efetivamente uma potência no mundo esportivo, segundo Rezende, o país precisa aliar a política de incentivo a prática esportiva desde a infância, com investimentos no atletas de alto rendimento, feita atualmente. “Se tínhamos uma expectativa de que em função da realização das Olimpíadas no Brasil teríamos uma política que permitisse o investimento maior e a potencialização da participação do Brasil nesses megaeventos, o resultado do Pan nos mostra que isso não aconteceu de forma efetiva. Mas isso não quer dizer que tivemos uma má participação”, ponderou o professor da UnB.

    “Para encontrar talentos tem que haver um trabalho anterior de formação desportiva geral para que as pessoas se envolvam com as modalidades, saibam apreciá-las e dos que praticarem e aprenderem é que vamos levar para os centros de alto rendimento. Se o Brasil não tiver o sistema completo montado, desde o início, da aprendizagem esportiva até o alto rendimento, o país fica lidando com partes”, disse.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here